Comparação das barreiras percebidas para a prática de atividade física de acordo com o sexo e nível de atividade física

Esta es un versión antigua publicada el 01-01-2021. Consulte la versión más reciente.

Autores/as

DOI: https://doi.org/10.6018/cpd.371571
Palabras clave: barreras, actividad física, adolescentes

Resumen

Objetivo: Relatar as barreiras percebidas para a prática de atividade física no lazer pelos adolescentes e comparar de acordo com o sexo e nível de atividade física. Métodos: Estudo transversal, conduzido em 2018 com uma amostra representativa de 1518 adolescentes. As barreiras e o nível de atividade física foram avaliados por meio de instrumentos validados. Os adolescentes foram separados em três grupos: inativos, insuficientemente ativos, ativos. Resultados: Meninas reportaram com mais frequência: “não ter companhia” (33.2%; 34.9%; 31.9%) e “preguiça” (30.0%; 38.7%; 31.3%), sendo respectivamente: inativas, insuficientemente ativas e ativas. “Acha chato”, “clima” e “não ter como pagar” apresentaram diferenças estatísticas entre os grupos. Meninos inativos fisicamente reportaram com mais frequência: “não ter alguém para levar” (30.8%), “preguiça” e “não ter companhia” (30.1%, ambas). Insuficientemente ativos “não ter companhia” (37.6%) e “clima” (38.6%). Ativos reportaram “falta de locais” (38.7%) e “não ter alguém para levar” (36.2%). Apenas a barreira “não ter motivação” apresentou diferença significativa. Conclusão: “Não ter companhia” e “preguiça” foram as barreiras mais citadas por meninas em todos os grupos. Meninas insuficientemente ativas apresentaram diferenças significativas, para: “acha chato”, “clima” e “não tem como pagar”. Meninos reportaram com mais frequência as barreiras: “não ter alguém para levar”, “preguiça”, “não ter companhia”, “clima”, “falta de locais”. Quando comparado com os demais grupos apenas a barreira “não ter motivação” apresentou diferença significativa para o grupo de meninos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Allison, K. R., Dwyer, J. J., Goldenberg, E., Fein, A., Yoshida, K. K., & Boutilier, M. (2005). Male adolescents’ reasons for participating in physical activity, barriers to participation, and suggestions for increasing participation. Adolescence, 40(157), 155-70. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/7875818_Male_adolescents%27_reasons_for_participating_in_physical_activity_barriers_to_participation_and_suggestions_for_increasing_participation

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (2016). Critério de Classificação Econômica. São Paulo, Brasil: ABEP.

Ato, M., López, J. J., & Benavente, A. (2013). Un sistema de clasificación de los diseños de investigación en psicología. Anales de Psicología, 29(3), 1038-59. https://doi.org/10.6018/analesps.29.3.178511

Camargo, E. M., Paiva, H. K., Pacheco, H. L. M., & Campos W. (2017). Facilitadores para a prática de atividade física no lazer em adolescentes. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 22(6), 561-67. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.22n6p561-67

Cassou, A. C., Fermino, R., Añes, C. R. R., Santos, M. S., Domingues, M. R., & Reis, R. S. (2011). Barriers to Physical Activity Among Brazilian Elderly Women From Different Socioeconomic Status: A Focus-Group Study. Journal Physical Activity Health, 8(1), 126-32. https://doi.org/10.1123/jpah.8.1.126

Ceschini, F. L., & Junior, A. F. (2008). Barreiras e determinantes para a prática de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 15(1), 29-36. Recuperado de: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/727/730

Copetti, J., Neutzling, M. B., & da Silva, M. C. (2010). Barreiras à prática de atividades físicas em adolescentes de uma cidade do sul do Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 15(2), 88-94. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.15n2p88-94

Dambros, D. D., Lopes, L. F. D., & Santos, D. L. D. (2011). Barreiras percebidas e hábitos de atividade física de adolescentes escolares de uma cidade do sul do Brasil. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 13(6), 422-8. https://doi.org/10.5007/1980-0037.2011v13n6p422

Dias, D. F., Loch, M. R., & Ronque, E. R. V. (2015). Barreiras percebidas à prática de atividades físicas no lazer e fatores associados em adolescentes. Ciência e Saúde Coletiva, 20(11), 3339-50. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.00592014

Ding, D., Lawson, K. D., Kolbe-Alexander, T. L., Finkelstein, E. A., Katzmarzyk, P. T., van Mechelen, W., ... & Pratt, M. (2016). The economic burden of physical inactivity: a global analysis of major non-communicable diseases. Lancet, 388(10051), 1311-24. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)30383-X

Dwyer, J. J. M., Allison, K. R., Goldenberg, E. R., Fein, A. J., Yoshida, K. K., & Boutilier, M. A. (2006). Adolescent girls’ perceived barriers to participation in physical activity. Adolescence, 41(161), 75-89. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/7092798_Adolescent_girls%27_perceived_barriers_to_participation_in_physical_activity

Garcia, L., & Fisberg, M. (2011). Atividades físicas e barreiras referidas por adolescentes atendidos num serviço de saúde. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 13(3), 163-9. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.18n3p344

Guedes, D. P., Lopes C. C., & Guedes, J. E. R. P. (2005). Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 11(2), 151-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922005000200011

Kienteka, M., Camargo, E. M., Fermino, R. C., & Reis, R. S. (2018). Quantitative and qualitative aspects of barriers to bicycle use for adults from Curitiba, Brazil. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 20(1), 29-42. http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2018v20n1p29

Lee, I. M., Shiroma, E. J., Lobelo, F., Puska, P., Blair, S. N., & Katzmarzyk, P. T. (2012). Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet, 380(9838), 219-29. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(12)61031-9

NCD Risk Factor Collaboration. (2017). Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128•9 million children, adolescents, and adults. Lancet, 390(10113), 2627-42. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)32129-3

Organização Mundial da Saúde. (2006). Curvas de Referência da Organização Mundial da Saúde. Recuperado de: http://ebook.ecog-obesity.eu/wp-content/uploads/2017/05/ECOG-Obesity-eBook-Curvas-de-referencia-da-organizacao-mundial-da-saude.pdf

Organização Mundial da Saúde. (2018). Mais pessoas ativas para um mundo mais saudável. Plano de ação global para a atividade física 2018-2030. Recuperado de: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272721/WHO-NMH-PND-18.5-por.pdf

Piola, T. S., Bacil, E., Watanabe, P., Camargo, E., Fermino, R., & Campos, W. (2019). Sexual Maturation, social support and physical activity in adolescents. Cuadernos De Psicología Del Deporte, 19(3), 125-38. https://doi.org/10.6018/cpd.347821

Rech, C. R., Camargo, E. M. de, Araujo, P. A. B, Loch, M. R., & Reis, R. S. (2018). Perceived barriers to leisure-time physical activity in the brazilian population. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 24(4), 303-9. http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220182404175052

Santos, M. S., Reis, R. S., Rodriguez-Añez, C. R., & Fermino, R, C. (2009). Desenvolvimento de um instrumento para avaliar barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 14(2), 76-85. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.14n2p76-85

Santos, M. S., Hino, A. A. F., Reis, R. S., & Rodriguez-Añez, C. R. (2010). Prevalência de barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13(1), 94-104. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2010000100009

Silva, A. A. P. de, Camargo, E. M. de, Silva, A. T. da, Silva, J. S. B., Hino, A. A. F., & Reis, R. S. (2019). Caracterização das atividades físicas realizadas por adolescentes de Curitiba, Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 25(3), 211-5. https://dx.doi.org/10.1590/1517-869220192503188171

Tremblay, M. S., Carson, V., Chaput, J. P., Connor-Gorber, S., Dinh, T., Duggan, M., ... & Zehr, L. (2016). Canadian 24-hour Movemnt Guidelines for children and Youth: an integration of physical activity, sedentary behaviour, and sleep. Applied Physiology Nutrition Metabolism, 41(6), S311-27. https://dx.doi.org/10.1139 / apnm-2016-0151

Viner, R. M., Ozer, E. M., Denny, S., Marmot, M., Resnick, M., Fatusi, A., ..., & Currie, C. (2012). Adolescence and the social determinants of health. Lancet, 379(9826), 1641-52. https://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(12)60149-4

Publicado
01-01-2021
Versiones
Cómo citar
de Camargo, E. M., López-Gil, J. F., & de Campos, W. (2021). Comparação das barreiras percebidas para a prática de atividade física de acordo com o sexo e nível de atividade física. Cuadernos de Psicología del Deporte, 21(1), 204–215. https://doi.org/10.6018/cpd.371571
Número
Sección
Psicología del Deporte