Comparação das barreiras percebidas para a prática de atividade física de acordo com o sexo e nível de atividade física

Autores/as

DOI: https://doi.org/10.6018/cpd.371571
Palabras clave: barreras, actividad física, adolescentes

Resumen

Objetivo: Relatar as barreiras percebidas para a prática de atividade física no lazer pelos adolescentes e comparar de acordo com o sexo e nível de atividade física. Métodos: Estudo transversal, conduzido em 2018 com uma amostra representativa de 1518 adolescentes. As barreiras e o nível de atividade física foram avaliados por meio de instrumentos validados. Os adolescentes foram separados em três grupos: inativos, insuficientemente ativos, ativos. Resultados: Meninas reportaram com mais frequência: “não ter companhia” (33.2%; 34.9%; 31.9%) e “preguiça” (30.0%; 38.7%; 31.3%), sendo respectivamente: inativas, insuficientemente ativas e ativas. “Acha chato”, “clima” e “não ter como pagar” apresentaram diferenças estatísticas entre os grupos. Meninos inativos fisicamente reportaram com mais frequência: “não ter alguém para levar” (30.8%), “preguiça” e “não ter companhia” (30.1%, ambas). Insuficientemente ativos “não ter companhia” (37.6%) e “clima” (38.6%). Ativos reportaram “falta de locais” (38.7%) e “não ter alguém para levar” (36.2%). Apenas a barreira “não ter motivação” apresentou diferença significativa. Conclusão: “Não ter companhia” e “preguiça” foram as barreiras mais citadas por meninas em todos os grupos. Meninas insuficientemente ativas apresentaram diferenças significativas, para: “acha chato”, “clima” e “não tem como pagar”. Meninos reportaram com mais frequência as barreiras: “não ter alguém para levar”, “preguiça”, “não ter companhia”, “clima”, “falta de locais”. Quando comparado com os demais grupos apenas a barreira “não ter motivação” apresentou diferença significativa para o grupo de meninos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (2016). Critério de Classificação Econômica.São Paulo, Brasil: ABEP. 2.Ato, M., López, J. J., & Benavente, A. (2013). Un sistema de clasificación de los diseños de investigación en psicología. Anales de Psicología, 29(3), 1038-59. https://doi.org/10.6018/analesps.29.3.1785113.

Camargo, E. M., Paiva, H. K., Pacheco, H. L. M., & Campos W. (2017). Facilitadores para a prática de atividade física no lazer em adolescentes. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 22(6), 561-67. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.22n6p561-674.

Dias, D. F., Loch, M. R., & Ronque, E. R. V. (2015). Barreiras percebidas à prática de atividades físicas no lazer e fatores associados em adolescentes. Ciência e Saúde Coletiva, 20(11), 3339-50. https://doi.org/10.1590/1413-812320152011.005920145.

Garn, A. C., & Simonton, K. L. (2020). Young Adults' Short-Term Trajectories of Moderate Physical Activity: Relations With Self-Evaluation Processes.Frontiers in psychology,11, 2079. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2020.020796.

Guedes, D. P., Lopes C. C., & Guedes, J. E. R. P. (2005). Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes.Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 11(2), 151-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-869220050002000117.

Guthold, R., Stevens, G. A., Riley, L. M., & Bull, F. C. (2020). Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. The Lancet. Child & adolescent health,4(1), 23–35. https://doi.org/10.1016/S2352-4642(19)30323-28.

Méndez, I., Ruiz-Esteban, C., & Ortega, E. (2019). Impact of the Physical Activity on Bullying.Frontiers in psychology,10, 1520. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2019.015209.

NCD Risk Factor Collaboration. (2017). Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128·9 million children, adolescents, and adults. Lancet, 390(10113), 2627-42. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)32129-310.

Organização Mundial da Saúde. (2006). Curvas de Referência da Organização Mundial da Saúde. Recuperado de: http://ebook.ecog-obesity.eu/wp-content/uploads/2017/05/ECOG-Obesity-eBook-Curvas-de-referencia-da-organizacao-mundial-da-saude.pdf11.

Organização Mundial da Saúde. (2018). Mais pessoas ativas para um mundo mais saudável.Plano de ação global para a atividade física 2018-2030. Recuperado de: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272721/WHO-NMH-PND-18.5-por.pdf

Piola, T. S., Bacil, E., Watanabe, P., Camargo, E., Fermino, R., & Campos, W. (2019). Sexual Maturation, social support and physical activity in adolescents.Cuadernos De Psicología Del Deporte,19(3), 125-38. https://doi.org/10.6018/cpd.34782113.

Portela-Pino, I., López-Castedo, A., Martínez-Patiño, M. J., Valverde-Esteve, T., & Domínguez-Alonso, J. (2019). Gender Differencesin Motivation and Barriers for The Practice of Physical Exercise in Adolescence.International journal of environmental research and public health,17(1), 168. https://doi.org/10.3390/ijerph1701016814.

Prochnow, T., van Woudenberg, T. J., & Patterson, M. S. (2020). Network Effects on Adolescents' Perceived Barriers to Physical Activity.Journal of physical activity & health, 1–6. Advance online publication. https://doi.org/10.1123/jpah.2019-065515.

Rech, C. R., Camargo, E. M. de, Araujo, P. A. B, Loch, M. R., & Reis, R. S. (2018). Perceived barriers to leisure-time physical activity in the brazilian population. Revista Brasileira de Medicina do Esporte,24(4), 303-9. http://dx.doi.org/10.1590/1517-86922018240417505216.

Rosselli, M., Ermini, E., Tosi, B., Boddi, M., Stefani, L., Toncelli, L., & Modesti, P. A. (2020). Gender differences in barriers to physical activity among adolescents.Nutrition, metabolism, and cardiovascular diseases : NMCD,30(9), 1582–1589. https://doi.org/10.1016/j.numecd.2020.05.00517.

Santos, M. S., Hino, A. A. F., Reis, R. S., & Rodriguez-Añez, C. R. (2010). Prevalência de barreiras para a prática de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Epidemiologia, 13(1), 94-104. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X201000010000918.

Santos, M. S., Reis, R. S., Rodriguez-Añez, C. R., & Fermino, R, C. (2009). Desenvolvimento de um instrumento para avaliar barreiras para a prática de atividade física em adolescentes.Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde,14(2), 76-85. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.14n2p76-8519.

Silva, A. A. P. de, Camargo, E. M. de, Silva, A. T. da, Silva, J. S. B., Hino, A. A. F., & Reis, R. S. (2019). Caracterização das atividades físicas realizadas por adolescentes de Curitiba, Brasil.Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 25(3), 211-5. https://dx.doi.org/10.1590/1517-86922019250318817120.

Tremblay, M. S., Carson, V., Chaput, J. P., Connor-Gorber, S., Dinh, T., Duggan, M., ... & Zehr, L. (2016). Canadian 24-hour Movemnt Guidelines for children and Youth: an integration of physical activity, sedentary behaviour, and sleep. Applied Physiology Nutrition Metabolism, 41(6), S311-27. https://dx.doi.org/10.1139 / apnm-2016-015121.

Vasquez, T., Fernandez, A., Haya-Fisher, J., Kim, S., & Beck, A. L. (2020). A Qualitative Exploration of Barriers and Facilitators to Physical Activity Among Low-Income Latino Adolescents.Hispanic health care international : the official journal of the National Association of Hispanic Nurses, 1540415320956933. Advance online publication. https://doi.org/10.1177/1540415320956933

Publicado
01-01-2021 — Actualizado el 28-01-2021
Versiones
Cómo citar
de Camargo, E. M., López-Gil, J. F., & de Campos, W. (2021). Comparação das barreiras percebidas para a prática de atividade física de acordo com o sexo e nível de atividade física. Cuadernos De Psicología Del Deporte, 21(1), 204-215. https://doi.org/10.6018/cpd.371571 (Original work published 1 de enero de 2021)
Número
Sección
Psicología del Deporte