Sentidos atribuídos à satisfação sexual por mulheres que vivenciam o trabalho sexual: estudo fenomenológico

Autores/as

DOI: https://doi.org/10.6018/iqual.471681
Palabras clave: trabajadoras sexuales, sexualidad, salud sexual, femenología

Resumen

Objetivou-se compreender os sentidos atribuídos à satisfação sexual por mulheres que vivenciam o trabalho sexual. Trata-se de um estudo qualitativo, fundamentado nas abordagens fenomenológicas de Sartre e Heidegger. Foi realizado com 30 trabalhadoras sexuais da região do Alto Sertão Produtivo Baiano. Evidenciou-se que as mulheres têm os sentidos sobre satisfação sexual, estruturados na dimensão financeira em interface à autoestima e ao ato sexual, explicadas a partir das experiências aprendidas, enquanto são/estão inseridas no serviço sexual. Esses sentidos revelam que o prazer em conexão ao dinheiro é a sobrevivência e subsistência. Já o orgasmo propriamente dito, remete à autoestima e às emoções sentidas por quem nutre afeto. Essas nuances, mostram que o serviço sexual é além de ofício, o contexto que permite elas ser/estar em um espaço com possibilidades de vivências multifacetadas, como a liberdade sexual, em uma temporalidade que é reflexo de subjetividades que extrapolam o determinismo natural.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Tarcísio da Silva Flores, Centro Universitário FG - Brasil

Advogado. Especialista em Direito do Trabalho. Centro Universitário FG.

Samantha Souza da Costa Pereira, Centro Universitário FG - Brasil

Enfermeira. Mestra em Saúde Coletiva. Centro Universitário FG.

Carle Porcino, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Psicóloga. Mestra em Estudo Interdisciplinares. Universidade Federal da Bahia.

Alba Benemérita Alves Vilela, Universidade Federal da Bahia - Brasil

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Citas

Amorim, T. V., Souza, Í. E. O., Salimena, A. M. O., Queiroz, A. B. A., Moura, M. A. V., & Melo, M. C. S. C. (2018). Risco reprodutivo em gestantes portadoras de cardiopatia: o mundo vivido direcionando o cuidado em saúde. Texto & Contexto - Enfermagem, 27(2), e3860016. doi: https://doi.org/10.1590/0104-070720180003860016

Broqua, C., & Deschamps, C. (2014). Transactions sexuelles et imbrication des rapports de pouvoir. In (Eds.) L’échange economico-sexuel (pp. 45-66). Paris: Éditions EHESS.

Beauvoir, S. (2016). O Segundo Sexo: a experiência vivida. Tradução, Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Carter, A., Greene, S., Money, D., Sanchez, M., Webster, K., Nicholson, V., et al. (2018). Supporting the Sexual Rights of Women Living With HIV: A Critical Analysis of Sexual Satisfaction and Pleasure Across Five Relationship Types. The Journal Of Sex Research, 55(9), 1134-1154. doi: https://doi.org/10.1080/00224499.2018.1440370

Castro, F. G., & Ehrlich, I. F. (2016). Introdução à psicanálise existencial: Existencialismo, fenomenologia e projeto de ser. Curitiba: Juruá.

Couto, P. L. S., Montalvão, B. P. C., Vieira, A. R. S., Vilela, A. B. A., Marques, S. C., Gomes, A. M. T., et al. (2020). Social representations of female sex workers about their sexuality. Investigación y Educación em Enfermería, 38(1), e03. doi: https://doi.org/10.17533/udea.iee.v38n1e03

Foley, E. E. (2017). Regulating sex work: subjectivity and stigma in Senegal. Culture, Health & Sexuality, 19(1), 50-63. doi: http://dx.doi.org/10.1080/13691058.2016.1190463

Foucault, M. (2014). História da Sexualidade, 2: O Uso dos Prazeres 5.ed. (M. T. C. Albquerque, Trad.). Rio de Janeiro: Edições Paz e Terra. (Obra originalmente publicada em 1984).

França, M. (2017). Práticas e sentidos da aprendizagem na prostituição. Horizontes Antropológicos, 23(47), 325-349. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-71832017000100011

Giacomello, K. J., & Melo, L. L. (2019). The meaning of the care of hospitalized children: experiences of nursing professionals. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(Suppl 3), 251-258. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0597

Heidegger M. (2012). Ser e tempo. Campinas (SP): Editora da Unicamp/Vozes.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça: interserccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social: revista de sociologia da USP, 26(1), 61-73. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100005

Karamouzian, M., Foroozanfar, Z., Ahmadi, A., Haghdoost, A. A., Vogel, A., & Zolala, A. (2016). How sex work becomes an option: Experiences of female sex workers in Kerman, Iran. Culture Health & Sexuality, 18(1), 58-70. doi: https://doi.org/10.1080/13691058.2015.1059487

Leal, C. B. M., Souza, D. A., & Rios, M. A. (2017). Aspectos de vida e saúde das profissionais do sexo. Revista de Enfermagem UFPE online, 11(11), 4483-4491. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/22865/24743.

Leite, G. S., Murray, L., & Lenz, F. (2015). O Par e o Ímpar: o potencial de gestão de risco para a prevenção de DST/HIV/AIDS em contextos de prostituição. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18(Suppl 1), 7-25. doi: https://doi.org/10.1590/1809-4503201500050003

Martínez, A., & Rodríguez, P. (2020). Placer, dinero y pecado: historia de la prostitución en Colombia. Bogotá; Aguilar.

Nascimento, S. S., & Garcia, L. G. (2015). Nas armadilhas do desejo: privações e movimentos de jovens prostitutas em zonas rurais. Caderno CRH, 28(74), 383-396. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-497920150002000100

Olivar J. M. N. (2011). Banquete de homens: sexualidade, parentesco e predação na prática da prostituição feminina. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 26 (75), 89-189. doi: https://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092011000100005

Olivar J. M. N. (2017). Género, dinero y fronteras amazónicas: la “prostitución” en la ciudad transfronteriza de Brasil, Colombia y Perú. Cadernos Pagu, (51), e175115. doi:

https://doi.org/10.1590/18094449201700510015

Pasini, E. (2015). Limites simbólicos corporais na prostituição feminina. Cadernos Pagu, 14, 181-200. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635351

Piscitelli, A. (2014). Violências e afetos: intercâmbios sexuais e econômicos na (recente) produção antropológica realizada no Brasil. Cadernos

Pagu, (42), 159-199. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-8333201400420159

Prada, M. (2018). Puta Feminista. São Paulo: Veneta.

Reis, T. G. O., Penha, J. C., Neri, E. A. R., Luz, G. O. A., & Aquino, P. S. (2014). Educação em saúde com prostitutas: uma experiência de educação aos pares. Revista de Enfermagem UFPI, 3(3), 46-52. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/1740/pdf

Sartre, J. P. (2015). O ser e o nada: Ensaio de ontologia fenomenológica. Petrópolis: Vozes.

Sartre, J. P. (2016). O existencialismo é um humanismo. Petrópolis: Vozes.

Silva, K. A. T., Borges, G. F., Mafra, F. L. N., & Cappelle, M. C. A. (2013). Ser prostituta: o sentido do trabalho moralmente inaceitável. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 11(2), 215-246. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/gestaoorg/article/view/21885/18410

Souza, M. A., Cabeça, L. P. F., & Melo, L. L. (2018). Pesquisa em enfermagem sustentada no referencial fenomenológico de Martin Heidegger: subsídios para o cuidado. Avances en Enfermería, 36(2), 230-237. doi: https://dx.doi.org/10.15446/av.enferm.v36n2.67179

Thng, C., Blackledge, E., Mclver, R., Watchirs, S. L., & McNulty, A. (2018). Private sex workers’ engagement with sexual health services: an online survey. Sexual Health, 15(1), 93-95. doi: https://doi.org/10.1071/SH16243

Vinuto, J. (2016). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, 22(44). doi: https://doi.org/10.20396/temáticas.v22i44.10977

Zelizer, V. (2009). La negociación de la intimidad. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica.

Publicado
10-02-2022
Cómo citar
Santos Couto, P. L., da Silva Flores, . T. ., Souza da Costa Pereira, S., Porcino, C. ., & Benemérita Alves Vilela, A. . (2022). Sentidos atribuídos à satisfação sexual por mulheres que vivenciam o trabalho sexual: estudo fenomenológico. iQual. Revista de Género e Igualdad, (5), 98–115. https://doi.org/10.6018/iqual.471681