Minorías sexuales, de género y educación. Demandas y luchas LGBTI en el contexto brasileño

Autores/as

DOI: https://doi.org/10.6018/iqual.440901
Palabras clave: minorías sexuales y de género, educación, educación democrática, Brasil, Género

Resumen

La Educación es un derecho de todos y deber de la escuela, de la familia y de la sociedad sin embargo no siempre se muestra democrática cuando se trata de las minorías sexuales y de género. En Brasil las violencias y estigmatizaciones de estudiantes LGBTI ocasionan baja escolaridad y muchos otros desdoblamientos sociales. Pensando en ello, la población LGBTI, a través de movimientos políticos y sociales, ha procurado garantizar el derecho de acceso y permanencia en las escuelas. Así, este trabajo tiene como objetivo explicitar cómo las acciones del movimiento LGBTI han contribuido históricamente a las transformaciones en la educación. Consideramos que los cambios en la Educación suceden, entre otras, por medio de la influencia de esos sujetos, y por aquellos que entienden la importancia del respeto a la diversidad en las instituciones educativas, que se muestran como espacio hostil marcado, a veces, por la cisheteronormatividad. Por medio del concepto de minorías activas, buscamos comprender cómo los sujetos LGBTI se contraponen a las reglas y normas sociales impuestas por la mayoría e influyen en las transformaciones sociales. Entendemos que la reproducción de normas y patrones de comportamiento en el ambiente educativo tiende a una lógica antidemocrática, en la que los alumnos no son plenamente respetados cuando presentan identidades y sexualidades consideradas disidentes.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Luiz Paulo Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais (FaE-UFMG), Brasil

Psicólogo, maestría en Promoción de Salut y prevención de la violencia, Doctor en educación. Profesor de psicología social en la Faculdad de Educación de la Universidad Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mariana Esteves da Costa, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Educação: Conhecimento e Inclusão Social pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. Pedagoga graduada pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG)

Isabella Campos Freitas D’Avila, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Educação: Conhecimento e Inclusão Social pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. É psicóloga graduada pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UNIBH)

Citas

Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (2016). Pesquisa Nacional Sobre o Ambiente Educacional no Brasil. https://static.congressoemfoco.uol.com.br/2016/08/IAE-Brasil-Web-3-1.pdf

Araújo, D. B. De. (2015). Outras falas sobre gênero e sexualidade na escola. Revista Periódicus, 1–9. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.9771/peri.v1i2.1287

Antunes, F., & Peroni, V. (2017). Reformas do Estado e políticas públicas: trajetórias de democratização e privatização em educação. Brasil e Portugal, um diálogo entre pesquisas. Revista Portuguesa de Educação, 30(1), 181-193. doi:10.21814/rpe.7399.

Bento, B. (2017). Tranviad@s: gênero, sexualidade e direitos Humanos. Salvador: EDUFBA. Recuperado de https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/26037.

Blais, M., Philibert, M., & Chamberland, L. (2018). Literature Revier Report on the indicators of inclusion and exclusion of LGBTQ+ people. Understanding Inclusion and Exclusion of LGBTQ people Research Partnership (UNIE-LGBTQ). Montréal: Université du Québecéal. Recuperado de https://savie-lgbtq.uqam.ca/wp-content/uploads/2018/07/Rapport_Recension_ENG_FINAL_Print.pdf.

Bortoni, L. (2018). Brasil é o país onde mais se assassina homossexuais no mundo. Recuperado de https://www12.senado.leg.br/radio/1/noticia/brasil-e-o-pais-que-mais-mata-homossexuais-no-mundo.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

Brasil. (1999). Parâmetros curriculares nacionais/ensino fundamental: orientação sexual. Brasília: Ministério da Educação. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro102.pdf.

Chaves, L.G. Mendes. Minorias e seus estudos no Brasil. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v.2., n.1, p. 149-168, 1971. Disponível em:file:///C:/Users/estev/Downloads/42512-

Texto%20do%20artigo-140426-1-10-20191122%20(2).pdf . Acesso em: 20/07/2020

Carrara, S. (2012). Políticas e Direitos Sexuais no Brasil Contemporâneo. Bagoas - Estudos Gays: Gêneros e Sexualidades, 4(05). https://www.cchla.ufrn.br/bagoas/v04n05art08_carrara.pdf

Conselho Nacional de Justiça. (2013). Resolução 175 de 2013.

https://atos.cnj.jus.br/atos/detalhar/1754

Costa, L. P. (2015). O judiciário enquanto aliado do movimento LGBT: perspectivas positivas e negativas em comparação ao legislativo na busca pela criminalização da homofobia. In Universidade Federal do Rio Grande do Sul. https://doi.org/10.1377/hlthaff.2013.0625

Dayrell, J. A escola como espaço sócio-cultural. In: Dayrell, J. (Org.) Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001, p. 136-161.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000119&pid=S01024698201200020001300012&lng=pt . Acesso em: 15/07/2020

Freire, P. (2019). Educação como prática da liberdade.45ª ed. São Paulo: Paz e Terra.

Gentili, P. (1996). Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In Escola, S.A. Quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Recuperado de https://barricadasabremcaminhos.files.wordpress.com/2010/06/neoliberalismo-e-educacao.pdf.

Hooks, B. (2013). Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

Igartua, K. J., & Montoro, R. (2015). Les minorités sexuelles: Concepts, prémisses et structure d’une approche clinique adaptée. Sante Mentale Au Quebec, 40(3), 19–35. https://doi.org/10.7202/1034909ar

Kauss, B. S., & Albernaz, R. O. (2015). Do movimento social LGBT brasileiro ao projeto de lei n. 122/2006 e o estatuto da diversidade sexual. Revista da Ajuris, 42(139), 29-49. Recuperado de http://ajuris.kinghost.net/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/529

Lima, A. M. (2017). Política sexual: os direitos humanos LGBT entre o universal e o particular. Belo Horizonte: Relicário Edições.

Louro, G. L. (2011). Educação e docência: diversidade, gênero e sexualidade. Formação Docente, 3(4), 62–70. https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/31

Louro, G. L. (2000). Corpo, escola e identidade. Educação e Realidade, 25(2), 59-75. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/46833.

Louro, G. L. (2007). Gênero, sexualidade e educação. Educação em Revista, 46(1), 201-218. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/edur/n46/a08n46.pdf.

Louro, G. L. (2008). Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-posições, 19(2), 17-23. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072008000200003&lng=en&nrm=iso.

Mbembe, A. (2006). Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte.5ª reimpressão. São Paulo: n-1 edições,2018.

Madureira, A. F. do A., & Branco, Â. U. (2015). Gênero, sexualidade e diversidade na escola a partir da perspectiva de professores/as. Temas em Psicologia, 23(3), 577–591. https://doi.org/10.9788/TP2015.3-05

Monroe, C. (2011). O acesso à escola melhorou: o desafio, agora, é a qualidade. Recuperado de https://novaescola.org.br/conteudo/2765/o-acesso-a-escola-melhorou-o-desafio-agora-e-a-qualidade.

Moscovici, S. (2011). Psicologia das minorias ativas. Rio de janeiro: Editora Vozes.

Nascimento, A. P. L., & Cruz, M. H. S. (2018). Gênero, sexualidades e juventudes: regulações e subversões dos corpos no cotidiano escolar. Cadernos de Gênero e Diversidade, 4(3), 14-28. Recuperado de https://doi.org/10.9771/cgd.v4i3.25591

Nunes, H. B. (2019). “Aqui na escola é bom porque tem gente de tudo que é tipo: as sapata, os viado, as bixa!": narrativas ficcionais sobre existir e resistir no espaço- tempo recreio a partir de uma perspectiva feminista decolonial dos saberes (Dissertação em Educação). Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil. Recuperado de http://hdl.handle.net/10183/202064.

Brasil (1999) Parâmetros Curriculares Nacionais/ Ensino Fundamental: Orientação sexual. Brasília: Ministério da Educação.

Reis, T. (2018). OS EBGLTs. In Marcio, C., & Rodrigues, A. Quando ousamos existir: itinerários fotobiográficos do movimento LGBTI brasileiro (1978-2018). Tubarão: Copiart. Recuperado de http://memorialgbti.org/wp-content/uploads/2019/01/QUANDO-OUSAMOS-EXISTIR_Interativo.pdf.

Rodrigues, H. J. A. (2010). Pensando minorias sexuais e de gênero sob a perspectiva das Políticas Públicas e de subjetivação. http://repositorio.ufes.br/bitstream/10/2883/1/tese_4275_.pdf

Sacristán, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

Santos, E. (2018a). A agenda LGBTI no Congresso Nacional: de João A. Mascarenhas à Jean Wyllys. In Marcio, C., & Rodrigues, A. Quando ousamos existir: itinerários fotobiográficos do Movimento LGBTI brasileiro (1978-2018). Tubarão: Copiart. Recuperado de http://memorialgbti.org/wp-content/uploads/2019/01/quando-ousamos-existir_Interativo.pdf

Santos, L. F. S. (2018b). História do movimento LGBT brasileiro : interpretações sobre as dinâmicas da interação entre o movimento social e o estado. Recuperado de http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/39422.

Soares, Z. P., & Monteiro, S. S. (2019). Formação de professores/as em gênero e sexualidade: possibilidades e desafios. Educar Em Revista, 35(73), 287–305. https://doi.org/10.1590/0104-4060.61432

Sodré, M. (2005). Por um conceito de minoria. In Comunicação e cultura das minorias (pp. 1–2).

https://pt.scribd.com/document/59696720/SODRE-Muniz-Por-Um-Conceito-de-Minoria

Supremo Tribunal Federal. (2019). STF enquadra homofobia e transfobia como crimes de racismo ao reconhecer omissão legislativa. Recuperado de http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=414010]

Todos pela Educação. (2018). Quatro em cada 10 jovens de 19 anos ainda não concluíram o Ensino Médio. Recuperado de https://www.todospelaeducacao.org.br/conteudo/quatro-em-cada-10-jovens-de-19-anos-ainda-nao-concluiram-o-ensino-medio.

Vianna, C. (2018). Políticas de Educação, gênero e diversidade sexual: breve história de lutas, danos e resistências. Belo Horizonte: Autêntica.

Publicado
19-02-2021 — Actualizado el 24-02-2021
Cómo citar
Ribeiro, L. P., Esteves da Costa, M., & Campos Freitas D’Avila, I. (2021). Minorías sexuales, de género y educación. Demandas y luchas LGBTI en el contexto brasileño. iQual. Revista de Género e Igualdad, (4), 124–141. https://doi.org/10.6018/iqual.440901

Artículos más leídos del mismo autor/a