Hijas olvidadas del Imperio Portugués:

memoria de mujeres en América.

  • Maria de Deus Manso Universidade de Évora
Palabras clave: Bahía, Kopke, sociedad, mujeres, hombres libres, esclavos, mestizaje.

Resumen

Este estudio analiza la vida de las mujeres que vivieron en Bahía, Brasil, a saber: mujeres libres, esclavas y libertas entre los siglos XVIII y XIX. Como hilo conductor se utilizaran estudios de caso con el fin de analizar los escenarios del poder. Más precisamente, el objetivo es volver la mirada sobre la diversidad de relaciones sociales, económicas y culturales que gravitan en torno a un espacio de gran circulación cultural y de mestizaje. El siglo XIX fue un siglo de muchos cambios que se desarrolló desde el final del Brasil Colonial, la Declaración de la Independencia (1822), el establecimiento formal del Imperio del Brasil (1824 Constitución), la abolición de la esclavitud en Brasil (1888), y concluyó con la formación de la República de Brasil (1889). A pesar de que la mayor parte de las fuentes se concentra en el siglo XIX, el presente estudio hará uso de los datos que se remontan varios siglos atrás para comprender cómo, a través del tiempo, se formaron diferentes grupos sociales, sin importar el color y el estatus social. Se pretende analizar la forma en que, durante siglos en el Imperio portugués, mujeres que habían sido esclavizadas lucharon por sus derechos y comenzaron a formar parte de la sociedad lusitana colonial a través de relaciones de amor, así como los lazos familiares, este último establecido durante su condición de esclavos.

Referencias

ALGANTRI, Leila Mezan. Honradas e Devotas: mulheres da colónia. Condição feminina nos conventos e recolhimentos do Sudeste do Brasil, 1750-1822. Rio de Janeiro: José Olimpio, 1993.

ALMEIDA, Suely. O Sexo Devoto. Normatização e resistência feminina no Império Português XVI – XVIII. Recife: Editora Universitária/UFPE, 2005.

ALVES, Adriana Dantas Reis. As mulheres negras por cima. O caso de Luzia jeje. Escravidão, família e mobilidade social – Bahia, c. 1780 – c. 1830. Tese de Doutorado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, 2010.

ANASTASIA, Carla Maria Junho e BOTELHO. Ângela Vianna. D. Maria da Cruz e a Sedição de 1736. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

APB, Inventário Instante 6, Caixa 2566, m. 3066, doc. 1.

APEB, Arquivos Judiciários / 04/1673/2143/03 – 1825.APEB, Série Justificação, secção Judiciária 78/2773/07, 1826.

APEB, Estante 9/cx 3788; doc. 11.

APEB, Série: Inventário, 5/1695/2165/24, fls, nº 15.

APEB, Tribunal de Justiça, Inventário Arquivos Judiciários 04/1356/1825/33, 1834.

AZZI, Riolando. Elementos para a história do catolicismo popular. REB. Petrópolis: Vozes, s.d.

BENNASSAR, Bartolomé e MARIN, Richard. História do Brasil. Lisboa: Editora Teorema, 2000.

BOXER, C.R. A Mulher na Expansão Ultramarina Ibérica. Lisboa: Livros Horizonte, 1977.

CASTELLUCI, Aldrin A. S. Classe e cor na formação do Centro Operário da Bahia (1890-1930). Afro-Ásia. Salvador: CEAO/UFB, 2010, n. 41, p . 85-131.

CHARTIER, Roger. Le monde comme representations”. Annales, E.S.C., n. 6, 1989, pp. 1505-20.

COSTA, Elisa Maria Lopes da. Contributos ciganos para o povoamento do Brasil (séculos XVI-XIX). Arquipélago. História. Universidade dos Açores. 2ª série, 2005-2006, vols. IX/X, pp. 153-181.

COUTO, Edilece e SEIXAS, Mariana. Percepções Protestantes da Festa do Senhor do Bonfim, Em Salvador-BA, no Século XIX, p. 1. (Percepções protestantes da festa do senhor ... - ABHR www.abhr.org.br/plura/ojs/index.../471) -File Format: PDF/Adobe Acrobat - E Souza – 2012, consultado 22/3/2013.

DOMINGOS, Petrônio. Lino Guedes: de filho de ex-escravo a “elite de cor”. Afro-Ásia. Salvador: CEAO/UFB, 2010, n. 41, p. 133-166.

FREIRE, Jonis. Família, parentesco espiritual e estabilidade familiar entre cativos pertencentes a grandes posses de Minas Gerias – séc- XIX. Afro-Ásia, Salvador/UFA: CEAO, 2012, n. 46, pp.9-59.

FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o Contratador de diamantes. O outro lado do Mito. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GANDELMEN, Luciana Mendes. Órfãs e Caridade nos recolhimentos femininos da Santa Casa da Misericórdia, Salvador, Rio de janeiro e Porto, sec. XVIII. São Paulo: UNICAMP/Programa de Pós-Graduação em História, 2005.

GOLDSHIMDT, Eliana Maria Rea. Convivendo com o pecado na sociedade colonial paulista (1719-1822). São Paulo: Annablume, 1998.

GONÇALVES, Andréa Lisly. História & Gênero. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GRINBERG, Keila e SALLES, Ricardo (orgs.). O Brasil Imperial, vol I: 1808-1831. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

GRUZINSKI, Serge. O Pensamento Mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

GUSMÁN, Florência. Los claroscuros del mestizaje. Negros, indios y castas en la Catamara Colonial. Cordoba: Encointro Grupo Editor; Universidade Nacional de Catamarca, 2010.

IVO, Isnara Pereira. Homens de caminho: trânsitos culturais, comércio e cores nos sertões da América portuguesa. Século XVIII. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2012.

LIBBY, Douglas Cole. A empiria e as cores: representações identitárias nas Minas Gerais dos séculos XVIII e XIX. PAIVA, Eduardo França; IVO, Isnara Pereira e MARTINS, Ilton Cesar (orgs.). Escravidão, mestiçagens, populações e identidades culturais. São Paulo: Annablume, 2010, pp. 41-62.

MANSO, Maria de Deus Beites. Santa Casa de la Misericordia da Bahia atraves de la depositada Teresa de Jesus. Religiosidad y reclusion feminina en Esapña, Portugal y América. Siglos XV-XIX. LÓPEZ, Rosalva Loreto e MARINAS, Mª Isabel Viforcos Marinas (orgs.). Histórias compartidas. Universidade de León; México: Instituto de Ciências Sociales y Humanidades Alfonso Vélez Pliego; Benemérita Universidade Autónoma de Puebla, 2007, pp. 339-367.

MATTOSO, Katia de Queirós. Bahia, século XIX. Uma província no Império. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

MATTOSO, Katia de Queirós. Família e Sociedade na Bahia do século XIX. São Paulo: Corrupio/ Brasília: CNPq, 1988.

NASCIMENTO, Anna Amélia Vieira. Patriarcado e Religião. As enclausuradas Clarissas do Convento do Desterro da Bahia: 1677-1890. Bahia: Conselho Estadual de Cultura, 1994.

NETTO, Rangel Cerceau. Famílias Mestiças e as representações identitárias: entre as maneiras de viver e as formas de pensar em Minas Gerais, no século XVIII. En: PAIVA, Eduardo França; AMANTINO; Marcia e IVO, Isnara Pereira (orgs.). Escravidão e mestiçagens: ambientes, paisagens e espaços. São Paulo: Annablume, 2011, pp. 1-177.

PAIVA, Eduardo França. Corpos pretos e mestiços no mundo moderno – deslocamento de gente, trânsito de imagens. En: DEL PRIORE, Mary e AMANTINO, Márcia (orgs.). História do corpo no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, v. 1, 2011, pp. 69-106.

PAIVA, Eduardo França. Dar o Nome ao Novo. Uma História Lexical da Ibero-América entre os Séculos XVI e XVIII (as dinâmicas de mestiçagem e o Mundo do Trabalho). Belo Horizonte: Autêntica Editores, 2015.

PAIVA, Eduardo França. Escravidão e universo cultural na Colônia: Minas Gerais, 1716-1789. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

PAIVA, Eduardo França. Escravos e Libertos nas Minas Gerais do século XVIII - Estratégias de resistência através dos testamentos. São Paulo: Annablume, 1995.

PAIVA, Eduardo França. Mulheres de Diversas “Qualidades” e seus Testamentos na Colonial, Escravista e Mestiça Capitania das Minas Gerais. Mulheres negras no Brasil Escravista e do Pós-Emancipação. En: FARIAS, Juliana Barreto; GOMES, Flávio e XAVIER, Giovana (orgs.). São Paulo: Selo Negro Edições, 2012, p. 12.

PAIVA, Eduardo França. Territórios Mestiços e Urbe Escravista Colonial Ibero-Americana. Escravidão, Mestiçagens, Ambientes, Paisagens e Espaços. En: PAIVA, Eduardo França; AMANTINO, Marcia Amantino e IVO, Isnara Pereira (orgs.). São Paulo: Annablume, 2011, pp. 11-31.

PRIORE, Mary del (coord.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto Editora, 2004.

PRIORE, Mary del (coord.). História do Amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005.

PRIORE, Mary del e AMANTINO, Marcia (coord.). História do Corpo no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

REIS, João José e SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência escrava no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SANTOS, Israel Silva dos. A Igreja Católica na Bahia. A Reestruturação do Arcebispado Primaz (1890-1930). Dissertação de Mestrado apresentada à FFCH, Salvador, 2006.

SCHWARTZ, Stuart. Segredos Internos. Engenhos e escravos na sociedade colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SCOTT, Rebecca e HÉBRARD, Jean M. Rosalie Nação Oulard: Liberdade, Direito e Dignidade na era da Revolução Haitina. Afro-Ásia. Salvador: CEAO/UFB, 2012, n. 46, p.71- 183.

SERGE, Gruzinski. O Pensamento Mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SILVA, Maria Beatriz Nizza. Donas e Plebeias na Sociedade Colonial. Lisboa: Editorial Estampa, 2002.

SILVA, Maria Beatriz Nizza. Vida Privada e Quotidiano no Brasil. Na época de D. Maria I e D. João VI. Lisboa: Editora Estampa, 1993.

SOUZA, Alexandra Rodrigues de. A “Dona” do Sertão: mulher, rebelião e discurso político em Minas Gerais no século XVII. Dissertação de Mestrado. Niterói: Universidade Federal Fluminense, Departamento de História, 2011.

VENÂNCIO, Renato Pinto. Famílias Abandonadas. Assistência À Criança de Camadas Populares no Rio de Janeiro e em Salvador – séculos XVIII-XIX. São Paulo: Papirus Editora, s/d.

Publicado
30-10-2015
Cómo citar
Manso, M. de D. (2015). Hijas olvidadas del Imperio Portugués:. Naveg@mérica. Revista Electrónica Editada Por La Asociación Española De Americanistas, (15). Recuperado a partir de https://revistas.um.es/navegamerica/article/view/241461
Sección
Artículos