Da Corte às Províncias: O desenvolvimento das Caixas Econômicas Provinciais no Império do Brasil (1874-1889)

Autores/as

  • Thiago Alvarenga de Oliveira Universidade Federal Fluminense
DOI: https://doi.org/10.6018/arics.471591
Palabras clave: Caixas Econômicas, Brasil, Século XIX, Depósitos, Rio de Janeiro

Resumen

As caixas econômicas no Brasil datam do começo da década de 1830. No entanto, o governo brasileiro cria sua primeira caixa econômica em 1861 na cidade do Rio de Janeiro. Devido ao desenvolvimento dessa caixa, o governo imperial resolveu expandir esse modelo para cada capital de província brasileira a partir de 1874. A proposta desse artigo é apresentar uma análise do desenvolvimento da poupança brasileira por meio das caixas econômicas provinciais administradas pelo governo imperial brasileiro e fazer uma comparação com os índices de crescimento com a principal caixa econômica do país, a Caixa Econômica da Corte entre 1874-1889. No limite do texto, traremos ponderações acerca do desenvolvimento dessas instituições em relação à conjuntura político-econômica específica de cada capital provincial. O texto está dividindo em quatro partes. A primeira retrocede o recorte cronológico da proposta para fazer uma breve história da poupança e das principais caixas econômicas do Brasil anteriores a criação da Caixa Econômica da Corte em 1861. A segunda discorre brevemente sobre a reforma estatutária das caixas econômicas em 1874 e a forma administrativa adotada para todas as caixas econômicas provinciais do Império do Brasil. A terceira, núcleo central do artigo, analisa o desenvolvimento dos depósitos das caixas econômicas provinciais nas duas décadas do Império do Brasil, bem como relaciona ao crescimento demográfico das províncias entre os recenseamentos de 1872 e 1890. A quarta, e última parte, trata das conclusões obtidas nas análises geral das caixas econômicas provinciais.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

ALVARENGA, T. O. e SARAIVA, L. F. (2017): “A Caixa Econômica do Rio de JaneiFonte: Brasil, 1875-1889. Aracajú, Cidade da Paraíba, Teresina e Natal, por terem sido criadas já no final da década de 1880, apresentam taxas de crescimento extrapoladas por balanços anuais lançados de maneira acumulada.

ro, 1831-1859”. In: Carlos Marichal; Tiago Gambi (org.), Historia bancária y monetária de América Latina (siglos XIX y XX). Nuevas perspectivas y agendas de investigación. Santander, Ediciones Universidad Cantabria, pp. 429-462.

ALVARENGA, T. O. (2018): “Os pequenos credores na bancarrota das casas bancárias cariocas em 1864”. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 15 , pp. 251-276.

ALVARENGA, T. O. e MANTUANO, T. (2020a): “As duas pontas da crise: as falências das casas bancárias em 1864 vistas de cima a baixo”, América Latina en la Historia Económica, 27(3), e1043. DOI: 10.18232/alhe.1043. 2020.

ALVARENGA, T. O. (2020b): A Caixa Econômica da Corte: Desenvolvimento, Centralização e Expansão da poupança brasileira (1861-1889). Tese de doutorado do Programa de Pós-Graduação em História Social e da Escuela Internacional de Doctorado de la Universidad de Murcia. Universidade Federal Fluminense e Universidad de Murcia. Niteroi/Murcia.

ALVARENGA,T. O. (2021): “Depósitos e Depositantes das Caixas Econômicas Brasileiras 1861-1889”, in Saraiva, L.F. Nabarro, W. E Castro, P.G. de. Atlas Histórico Econômico do Brasil no século XIX. Niteroi, Eduff. (no prelo).

BRASIL (1861-1889): Ministério da Fazenda. Proposta e Relatório. Rio de Janeiro Tipografia Nacional, nos anos de 1861 até 1889. Disponível em http://ddsnext.crl.edu/.

CHRISTEN-LECUYER, Carole (2005): “La mesure de l’efficacité sociale des Caisses d’épargne françaises au XIXe siècle”, Histoire et Mesure, 3/4, pp. 139-175.

GAMBI, Thiago F. R.; SILVA, Marcel P. da e VIEIRA, Eduardo J. (2019) “A Caixa Econômica Particular de Ouro Preto (1838-1901)”, XIII Congresso Brasileiro de História Econômica e 14º Conferência Internacional de História de Empresas. ABPHE. Criciúma.

GRITTI, Isabel Rosa (2001): Imigração e colonização polonesa no Rio Grande do Sul: a emergência do preconceito. Tese de Doutorado, Porto Alegre:,PUCRS.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel (2013): “O Banco Comercial e Agrícola no Império do Brasil: o estudo de caso de um banco comercial e emissor (1858-1862)”. sÆculum - Revista de História [29]; João Pessoa, jul./dez.

HORNE, Oliver H. (1947): A History of Savings Banks. Geoffrey Cumberlege. Oxford University Press. London.

LIMA, Viviane (2010): “Agenciamento e Agenciadores da emigração: a inserção dos trabalhadores cearenses na lavoura cafeeira (século XIX)”. Histórica – Revista Eletrônica do Arquivo Público do Estado de São Paulo, 41, abr, São Paulo.

MARCONDES, Renato Leite (2005): Desigualdades regionais brasileiras: comércio marítimo e posse de cativos na década de 1870. Tese de Livre-Docência. Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo.

MARQUESE, Rafael de B. (2013): “Capitalismo, escravidão e a economia cafeeira do brasil no longo século XIX.” Sæculum – Revista de História, 29, 31 dez.

MATTOS, Ilmar Rohloff de (2004): O Tempo Saquarema. 5ªedição, São Paulo: Editora Hucitec.

MOURA FILHO, Heitor P. de (2010): “Câmbio de longo prazo do mil-réis: uma abordagem empírica referente às taxas contra a libra esterlina e o dólar (1795-1913)”, Cadernos de História, 11 (15), 2º semestre. Belo Horizonte.

OLIVEIRA, Maria Cecília Marins de (1986): Os imigrantes e o ensino na província do Paraná. Educ. rev., Curitiba, 5, pp. 51-79.

ROLIM FILHO, Claudiomar M. (2016): Formação Econômica do Maranhão: de província próspera a estado mais pobre da federação. O que deu tão errado?. Dissertação defendida no Programa de Pós-Graduação em Economia do Setor Público. Universidade de Brasília.

SHERMAN, F. J. (1934): Modern of Mutual Savings Banks: A narrative of their growth and development from the inception to the Present Day. New York, J. J. Little and Ives Company.

VARGAS, Jonas Moreira (2015): “Abastecendo plantations: A inserção do charque fabricado em Pelotas (RS) no comércio atlântico das carnes e a sua concorrência com os produtores platinos (século XIX)”, História (são Paulo) 33 (2).

Publicado
15-09-2021
Cómo citar
Alvarenga de Oliveira, T. (2021). Da Corte às Províncias: O desenvolvimento das Caixas Econômicas Provinciais no Império do Brasil (1874-1889). Áreas. Revista Internacional de Ciencias Sociales, (41), 39–56. https://doi.org/10.6018/arics.471591