El Montepio General de Economía de los Servidores del Estado y el Imperio Brasileño (1835/1883)

  • Luiz Fernando Saraiva Universidade Federal Fluminense
  • Rita de Cássia da Silva Almico Universidade Federal Fluminense

Resumen

El artículo aborda la evolución del Montepío General de Economía de los Servidores del Estado desde su creación, en 1835, hasta su primera gran crisis, en 1883, cuando el Estado intervino para mantener su funcionamiento. En esta trayectoria, vamos a discutir algunas características de los modelos de asociativismo de la sociedad brasileña y el papel ejercido por el Estado en ese proceso, tanto en relación al montepío que es objeto principal de ese artículo, cuanto a otras instituciones de la misma naturaleza asociativa.

Biografía del autor/a

Luiz Fernando Saraiva, Universidade Federal Fluminense

Luiz Fernando Saraiva, Profesor Pleno da Universidade Federal Fluminense, Departamento de História, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil,

Rita de Cássia da Silva Almico, Universidade Federal Fluminense

Rita de Cássia da Silva Almico, Profesora Plena da Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Economia, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil,

Citas

ALMICO, Rita C. S.; SARAIVA, Luiz F. (2008): “Casa Montepio dos Artistas: Pecúlio e auxílio mútuo em uma sociedade do Recôncavo da Bahia”. Congreso Internacional de Historia de las Cajas de Ahorro. Universidad de Murcia.

ALMICO, Rita de Cássia da Silva (2015): Em nome da palavra e da lei, Rio de Janeiro, Editora 7 Letras.

BARICKMAN, Bert Jude (2003): Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo. 1780-1860, Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

CABARRÚS, Francisco (1783): Cartas sobre los obstáculos que la naturaleza, la opinión oponen a la felicidad pública, Barcelona, Imprenta de D.A. Roca.

CARDOSO DE MELLO, João Manuel (1985): O capitalismo Tardio, São Paulo, Brasiliense.

CARVALHO, José Murilo de (1980): A construção da ordem: a elite política imperial, Rio de Janeiro, Ed. Campus Ltda.

CHRISTEN-LÉCUYER, Carole (2004): Histoire Sociale er Culturalle des Caisses D’Epargne em France (1818-1881), Paris, Editora Economica.

FERREIRA, Luiz Otávio, (1998): “José Francisco Xavier Sigaud: um personagem esquecido, uma obra reveladora”, História, Ciência, Saúde/Manguinhos, 5 (1), pp. 125-126.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho (1969): Homens Livres na Ordem Escravocrata, São Paulo, Editora da UNESP.

FRANCO, Renato Júnior (2014): “O modelo luso de assistência e a dinâmica das Santas Casas de Misericórdia na América portuguesa”. Estudos Históricos, 27, pp. 5-25.

FREYRE, Gilberto (1983): Casa Grande & Senzala, 22ª edição, São Paulo, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio.

GUIMARÃES, Carlos Gabriel (1997): Bancos, Economia e Poder no Segundo Reinado: O Caso da Sociedade Bancária Mauá, Macgregor & Companhia (1854-1866), Tese de Doutoramento, São Paulo, Universidade de São Paulo.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de (1995): Raízes do Brasil, São Paulo, Cia. Das Letras.

LEMONTEY, Pierre-Arnold, publicado por José Francisco Sigaud (1832): O Homem Benfazejo ou das Vantagens que Resultam da Fundação da Caixa Econômica dos Povos Civilizados, Rio de Janeiro, Tipografia Imperial Constitucional de Seignot-Plancher & Cia, vol. XII, Biblioteca Constitucional do Cidadão Brasileiro.

LEVY, Maria Bárbara (1994): A Indústria do Rio de Janeiro através de suas sociedades anônimas, Rio de Janeiro, Biblioteca Carioca/UFRJ.

MALERBA, Jurandir (2003): Esboço crítico da recente historiografia sobre a independência do Brasil (desde C. 1980), University of Oxford, Centre for Brazilian studies, working paper number, CBS-45-03.

MARTÍNEZ SOTO, Ángel Pascual (2018): La protección social en la época liberal: de la beneficencia a la previsión social (1820–1908), Murcia, Areas. Revista Internacional de Ciencias Sociales, 37, pp. 109-126.

MARTÍNEZ SOTO, Ángel Pascual, CUEVAS CASAÑA, Joaquim y HOYO APARICIO, Andrés (2005): “La Historia Económica de las Cajas de Ahorros Españolas: Una perspectiva institucional y regional del ahorro, 1830-2004”, Papeles de Economía Española, 105/106, pp. 6-15.

MARTINS, José de Souza (1979): O cativeiro da terra, São Paulo, Símbolo.

MATOSO, Kátia de Queiroz (1992): Bahia Século XIX, uma província no Império, 2ª edição, Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira.

MATTOS, Ilmar Rohloff de (2004): O Tempo Saquarema. 5ª edição, São Paulo, Editora Hucitec.

MOTA, Carlos Guilherme (1986): 1822: Dimensões, São Paulo, Perspectiva.

NEVES, José Acursio das (1814): Variedades sobre objetos relativos as artes, comércio e manufaturas, consideradas segundo os princípios da Economia Política. Lisboa, Impressão Régia.

NOVAIS, Fernando Antônio (1995): Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808), 6ª edição, São Paulo, Ed. Hucitec.

OLIVEIRA, Geraldo Beauclair Mendes de (1992): Raízes da indústria no Brasil: a pré-indústria fluminense, 1808-1860, Rio de Janeiro, Studio F&S.

PEREIRA, Alfredo Leal de Sá (1952): Montepio Geral de Economia dos Servidores do Estado – Ligeiro Resumo do seu 1º Centenário 1835/1935, Rio de Janeiro, (reeditado), Jornal do Comércio.

PEREIRA, Ronaldo (2002): Associações de classe, profissionais e beneficentes do Rio de Janeiro (1860-1889), São Paulo, USP, Caderno de debates.

PEREIRA, Vantuil (2010): Ao soberano congresso: direitos do cidadão na formação do estado imperial (1822-1831), São Paulo, Casa Alameda Editorial

PIÑEIRO, Théo Lobarinhas (2002): Os “simples comissários”: negociantes e política no Brasil Império (1831-1888), Tese de Doutorado, Niterói, UFF/PPGH.

PIRENNE, Henri (1963): História Econômica da Idade Média, Tradução de Lycurgo Gomes da Motta, São Paulo, Mestre Jou.

PISTOLA, Renato José Bogalho Jorge da et al. (2018): Entre mutualismo e capitalismo: os caminhos do Montepio Geral (1840-1930).

PRADO JÚNIOR, Cai (2000): Formação do Brasil Contemporâneo, São Paulo, Brasiliense/ Publifolha.

REIS, João José (1991): A Morte é uma Festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX, São Paulo, Cia. das Letras.

SARAIVA, Luiz. Fernando; FRANÇA, Lílian S. (2011): “Os Atos do Poder Legislativo no Império Brasileiro (1826-1889)”, Revista Internacional de História Política e Cultura Jurídica, 3, pp. 5-32.

SCHWARTZ, Stuart (2001): Escravos, Roceiros e Rebeldes, Tradução de Jussara Simões, Bauru, São Paulo, Ed. da Universidade Sagrado Coração.

SILVA JÚNIOR, Adhemar Lourenço da (1999): “Estado e mutualismo no Rio Grande do Sul (1854-1940)”, Estudos Ibero Americanos, XXV, (2), pp. 147-174.

SILVA, Maria Conceição Barbosa da Costa e, (1998): O Montepio dos Artistas Elo dos Trabalhadores em Salvador, Salvador, Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia, Fundação Cultural, EGBA.

SOUZA, Ana Maria dos Santos Pereira de (2003): Comprometimento organizacional em contexto de fusões & aquisições: Estudo de caso em trajetória de organização bancária, Salvador, Universidade Federal da Bahia, mestrado profissional em Administração.

VATIN, François (2006): “Pierre-Édouard Lemontey, L’invention de la sociologie du travail et la question salariale”, Revue du Mauss, 27, pp. 398-420.

Publicado
29-06-2019
Sección
Artículos