Infección relacionada con la Asistencia a la Salud en Unidad de Cuidados Intensivos Adulto

  • Luiz Amtonio Bergamim Hespanhol
  • Semírames Cartonilho de Souza Ramos
  • Orácio Carvalho Ribeiro Júnior
  • Tatiane Silva de AraújoTatiane
  • Alyne Batista Martins
Palabras clave: Unidad de Cuidados Intensivos; Infección Relacionada a la Asistencia a la Salud; Dispositivos Invasivos

Resumen

El presente estudio tiene como objetivo caracterizar los casos de infecciones relacionadas a la asistencia a la salud ocurridas en una UCI adulto. Estudio del tipo descriptivo, exploratorio, documental y con abordaje cuantitativo. La muestra fue constituida por archivos y fichas de control de infección hospitalaria de la CCIH de todos los casos de infecciones ocurridas en la UCI del Hospital Universitario Getúlio Vargas en Manaus – Amazonas en el periodo de enero del 2013 a diciembre del 2014. Fueron seleccionados 75 pacientes, siendo la mayoría pertenecientes al sexo femenino (60%), con predominio de ancianos (36,5%). Fueron clasificados como quirúrgicos (45,3%) y tuvieron permanencia en la UCI  de 16 o más días (42,7%). En cuanto al perfil de las infecciones, hubo predominio de las relacionadas al tracto respiratorio (46,2%) y corriente sanguínea (26,6%), llamando atención para la Neumonía Asociada a la Ventilación Mecánica (35,2%). El estudio mostró que hay predominio del diagnóstico clínico, de laboratorio y de imagen en la identificación de las IRAS, sumando (62,4%), descuidando la realización de cultivos (37,5%). Entre los microorganismos identificados existe el predominio de los gram negativos (28,1%).  La mayor ocurrencia de infección por dispositivos invasivos ocurrió en el uso del tubo orotraqueal (48%). Hubo correlación fuerte y significativa entre el resultado muerto y la cantidad de infecciones presentes (p=0,02) y cuanto al número de patógenos aislados en cada paciente (p=0,03). Se vuelve imprescindible la correcta investigación de los casos de IRAS, atendiendo a los diferentes factores asociados a su ocurrencia, resultando evidente la necesidad de mayor vigilancia epidemiológica de las infecciones en la Unidad de Cuidadps Intensivos.

Biografía del autor/a

Luiz Amtonio Bergamim Hespanhol

Enfermeiro Especialista em Unidade de Terapia Intensiva. Universidade Federal do Amazonas.

Semírames Cartonilho de Souza Ramos

Enfermeira. Doutora em Ginecologia, Obstetrícia e Mastologia. Professora da Escola de Enfermagem de Manaus. Universidade Federal do Amazonas.

Orácio Carvalho Ribeiro Júnior

Enfermeiro. Mestrando em Saúde Pública. Instituto Leônidas e Maria Deane. FIOCRUZ/AMAZÔNIA

Tatiane Silva de AraújoTatiane

Enfermeira. Residente em Obstetrícia pela Universidade Federal do Amazonas.

Alyne Batista Martins

Enfermeira. Especialista em Unidade de Terapia Intensiva. Universidade Federal do Amazonas.

Citas

Silva PF, Padoveze MC. Infecções relacionadas a serviços de saúde orientação para público em geral: Conhecendo um pouco mais sobre infecção. 2012. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/resource/pt/ses-27259.

Freire ILS, Menezes LCC, Sousa NML, Araújo RO, Vasconcelos QLDAQ, Torres GV. Epidemiologia das infecções relacionadas à assistência à saúde em unidade de terapia intensiva pediátrica. Revista de Atenção à Saúde, Rio Grande do Norte-RN. nº 35, jan./mar. 2013. Disponível em: http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/1675/1371

Viana RAPP, Whitaker IY. Enfermagem em terapia intensiva: Práticas e Vivências. Porto Alegre-PR: Artmed, 2011.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde Brasília, DF, 1ª edição, 2013b. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/livros/Livro4-MedidasPrevencaoIRASaude.pdf.

Calil K, Valente GSC, Silvino ZR. Ações e/ou intervenções de enfermagem para prevenção de infecções hospitalares em pacientes gravemente enfermos: Uma Revisão Integrativa. Enfermería Global, Murcia-Espanha, v. 13, n. 2, p. 425-443, abr. 2014. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/view/156491.

Nogueira PSF, Moura ERF, Costa MMF, Monteiro WMS, Brondi L. Perfil da infecção hospitalar em um hospital universitário. Revista de Enfermagem UERJ. Rio de Janeiro-RJ, v. 17, n. 1, p. 96-101, jan./mar. 2009. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v17n1/v17n1a18.pdf.

Oliveira AC, Kovner CT, Silva RS. Infecção hospitalar em unidade de tratamento intensivo de um hospital universitário brasileiro. Rev. Latino-Americana Enfermagem, Ribeirão Preto-SP, v.18, n. 2, p. 97-104, mar./abr. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n2/pt_14.pdf.

Oliveira AC, Paula AO, Iquiapaza RA, Lacerda ACS. Infecções relacionadas à assistência em saúde e gravidade clínica em uma unidade de terapia intensiva. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 33, n. 3, p. 89-96, 2012. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/25068/21950.

Nangino GO, Oliveira CD, Correia PC, Machado NM, Dias ATB. Impacto financeiro das infecções nosocomiais em unidades de terapia intensiva em hospital filantrópico de Minas Gerais. Rev. Bras. Ter. Intensiva, v. 24, n. 4, p. 357-361, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v24n4/a11v24n4.pdf.

Gomes AC, Carvalho PO, Lima ETA, Gomes ET, Valença MP, Cavalcanti ATA. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem UFPE, v. 8, n. 6, p. 1577-1585, 2014. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/5618.

Avci M, Ozgenc O, Coskuner SA, Olut AI.Hospital acquired infections (HAI) in the elderly: comparison with the younger patients. Archives of gerontology and geriatrics, v. 54, n. 1, 2012. Disponível em: http://www.aggjournal.com/article/S0167-4943(11)00082-3/pdf.

Pereira FGF, Chagas ANS, Freitas MMC, Barros LM, Caetano JÁ. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em uma Unidade de Terapia Intensiva. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, v. 4, n. 1, p. 70-77, 2016. Disponível em: https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/614.

Lisboa T, Nagel F. Infecção por patógenos multi-resistentes na UTI: como escapar. Rev Bras Ter Intensiva, v. 23, n. 2, p. 120-4, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v23n2/a03v23n2.pdf.

Marra AR, Aranha CLF, Campos PAC, Teresa S, Petersen BPR. Nosocomial bloodstream infections in Brazilian hospitals: analysis of 2,563 cases from a prospective nationwide surveillance study. Journal of clinical microbiology, v. 49, n. 5, p. 1866-1871, 2011. Disponível em: http://scicurve.com/paper/21411591.

Costa FM, Soares AP, Batista LB, Carneiro JÁ, Santos JAD. Infecção hospitalar: distribuição topográfica e microbiológica em um hospital público de ensino. J Health Sci Inst, v. 32, n. 3, p. 265-70, 2014. Disponível em: https://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2014/03_jul-set/V32_n3_2014_p265a270.pdf.

Favarin SS, Camponogara S. Perfil dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital universitário. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 2, n. 2, p. 320-329, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/5178.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Critérios Diagnósticos de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde. Brasília, Distrito Federal, 1ª edição, 2013a. Disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/images/documentos/livros/Livro2-CriteriosDiagnosticosIRASaude.pdf.

Rodrigues PMA, Neto EC, Santos LRC, Knibel MF. Pneumonia associada à ventilação mecânica: epidemiologia e impacto na evolução clínica de pacientes em uma unidade de terapia intensiva. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 35, n. 11, p. 1084-1091, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-37132009001100005.

Barros LM, Bento JNC, Caetano JÁ, Moreira RAN, Pereira FGF, Frota NM, et al. Prevalência de micro-organismo e sensibilidade antimicrobiana de infecções hospitalares em unidade de terapia intensiva de hospital público no Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 33, n. 3, p. 429-435, 2012. Disponível em: http://serv-bib.fcfar.unesp.br/seer/index.php/Cien_Farm/article/viewFile/2211/1267.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.616, 12 de maio de 1998. Diário Oficial, Brasília, 1998. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt2616_12_05_1998.html.

Veras AS, Silva MRP, Carvalho MM, Carvalho LRB, Landim CAP. Perfil das infecções hospitalares nas unidades de terapia intensiva de um hospital de urgência. Revista de Enfermagem UFPE, v. 10, supl. 1, p. 194-201, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10940.

Fraimow HS, Tsigrelis C. Antimicrobial resistance in the intensive care unit: mechanisms, epidemiology, and management of specific resistant pathogens. Critical care clinics, v. 27, n. 1, p. 163-205, 2011. Disponível em: http://www.criticalcare.theclinics.com/article/S0749-0704(10)00099-0/pdf.

Souza ES, Belei RA, Carrilho CMDM, Matsuo T, Perugini MRE, Andrade G, et al. Mortalidade e riscos associados a infecção relacionada à assistência à saúde. Texto Contexto Enfermagem, v. 24, n. 1, p. 220-228, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00220.pdf.

Hautemanière A, Florentin A, Hartemann P, Hunter PR. Identifying possible deaths associated with nosocomial infection in a hospital by data mining. American journal of infection control, v. 39, n. 2, p. 118-122, 2011. Disponível em: http://www.ajicjournal.org/article/S0196-6553(10)00665-6/pdf.

Vrijens F, Hulstaert F, Devriese S, Sande SV. Hospital-acquired infections in Belgian acute-care hospitals: an estimation of their global impact on mortality, length of stay and healthcare costs. Epidemiology and infection, v. 140, n. 01, p. 126-136, 2012. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21320376.

Guimarães AC, Donalisio MR, Santiago THR, Freire JB. Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil. Rev Bras Enferm, v. 64, n. 5, p. 864-9, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000500010.

Publicado
20-12-2018
Cómo citar
[1]
Bergamim Hespanhol, L.A., Cartonilho de Souza Ramos, S., Ribeiro Júnior, O.C., Silva de AraújoTatiane, T. y Martins, A.B. 2018. Infección relacionada con la Asistencia a la Salud en Unidad de Cuidados Intensivos Adulto. Enfermería Global. 18, 1 (dic. 2018), 215-254. DOI:https://doi.org/10.6018/eglobal.18.1.296481.
Sección
Originales