Perspectivas de los cuidados de enfermería en el embarazo de alto riesgo: revisión integradora

  • Thaís Vasconselos Amorim Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  • Ívis Emília de Oliveira Souza Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maria Aparecida Vasconcelos Moura Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ana Beatriz Azevedo Queiroz Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Anna Maria Oliveira Salimena Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora - MG
Palabras clave: Embarazo de Alto Riesgo, Mortalidad Materna, Cuidados de Enfermería

Resumen

Revisión integrativa que analizó las perspectivas del cuidado de enfermería a la mujer que experimenta embarazo de alto riesgo a partir de las producciones científicas internacionales y nacionales, cara a la contribución del cumplimiento del quinto objetivo para el desarrollo del milenio. Búsqueda en las bases Cinahl/Medline/Lilacs/BDENF. Veinticuatro estudios permitieron la emergencia de las categorías: Cuidados de enfermería en la perspectiva de la subjetividad de la mujer que experimenta un embarazo de alto riesgo; Cuidado de las mujeres que experimentan un embarazo de alto riesgo en la perspectiva de la sistematización de la asistencia de enfermería. Si por un lado las investigaciones internacionales y nacionales consideran relevantes las percepciones y sentimientos de las embarazadas de riesgo, por otro, centraron el cuidado en aspectos fisiológicos, sustentándose en el paradigma intervencionista. Estas posiciones científicas, aunque convergentes, anuncian posibilidad de desarrollar metodologías de cuidado de enfermería que reúnan dimensiones multifacéticas, contribuyendo a la reducción de la morbimortalidad materna.

Biografía del autor/a

Thaís Vasconselos Amorim, Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2015). Mestre em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (2013). Especialista em Cardiologia Aplicada à Enfermagem pelo Centro de Ensino e Pesquisas do Hospital Pró-Cardíaco (2008). Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2003). É membro do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem em Saúde da Mulher EEAN/UFRJ. Atua na docência na Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora - SUPREMA. Possui experiência assistencial, na docência e pesquisa com ênfase em Enfermagem Médico-Cirúrgica, Gestão em Enfermagem, Cirurgia Cardíaca e Saúde da Mulher. Trabalhos desenvolvidos a partir da abordagem qualitativa em sua maioria ancorados na fenomenologia heideggeriana.

 
Ívis Emília de Oliveira Souza, Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Possui Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Escola de Enfermagem Anna Nery/Universidade Federal do Rio de Janeiro - EEAN/UFRJ (1974), Mestrado em Enfermagem pela EEAN/UFRJ (1988) e Doutorado em Enfermagem pela EEAN/UFRJ (1993). Foi admitida como docente do Departamento de Enfermagem Materno Infantil da EEAN/UFRJ em fevereiro de 1977 e é Professora Titular de Enfermagem Obstétrica desde fevereiro de 1999. Tem experiência docente, assistencial, de pesquisa e de extensão na área de Enfermagem Obstétrica, Saúde da Mulher, Saúde da Criança e do Adolescente e em Amamentação. Desenvolve estudos na abordagem qualitativa de pesquisa com ênfase na Fenomenologia, com o referencial de Martin Heidegger. É graduanda de Filosofia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, (UERJ). É membro permanente da Comissão Estadual de Controle e Prevenção da Morte Materna e Perinatal da SES/RJ, membro representante da UFRJ no Grupo Técnico Interinstitucional de Aleitamento Materno da SES/RJ. Integra, como pesquisadora, os Núcleos de Pesquisa de Enfermagem em Saúde da Mulher (NUPESM), e em Saúde da Criança (NUPESC), da EEAN/UFRJ. Foi Diretora de Educação da Associação Brasileira de Enfermagem ABEn Nacional nas gestões 1995/1998 e 1998/2001. Diretora de Estudos e Pesquisas da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras, ABENFO Nacional, gestão 2008-2011.
Maria Aparecida Vasconcelos Moura, Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Enfermeira Obstétrica, Graduada pela Escola de Enfermagem Anna Nery/EEAN da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ; Pós-graduada em Administração Hospitalar; Novas Metodologias do Ensino Superior de Enfermagem; Mestrado em Ciências Biológicas e da Saúde, Doutor Livre Docente e Doutorado em Enfermagem. Pesquisadora na área da saúde da mulher com ênfase na qualidade da assistência e nos serviços da saúde. Desenvolve pesquisas em violência de gênero. Atua em cursos de graduação, especialização e pós-graduação, além de exercer atividades de extensão. Participou como Editora Chefe e do Conselho Editorial da Revista Escola Anna Nery/UFRJ (1999 - 2002); Coordenadora Adjunta do Curso de Mestrado (2004-2007) da EEAN/UFRJ. Membro da Diretoria Colegiada do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem na Saúde da Mulher (2014-2015). Vice-presidente da Associação Brasileira de Enfermeiros Obstetras (ABENFO) , sessão RJ (2006-2008). Atualmente, Coordenadora Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento e do Comitê de Ética em Pesquisa da Escola de Enfermagem Anna Nery / Hospital São Francisco de Assis (2008 a 2015). Discute questões da Mulher em âmbito acadêmico e social, no exterior e no Brasil como Conferencista e expositora de trabalhos científicos na divulgação de pesquisas realizadas. É Consultora AD HOC de periódicos Nacionais e Internacionais na área da Saúde da Mulher.

 
Ana Beatriz Azevedo Queiroz, Escola de Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora Associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Enfermeira especialista em Saúde da Mulher, Graduada pela Escola de Enfermagem Anna Nery/EEAN da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ.Pós-graduada em Enfermagem Ginecológica e Obstétrica; Novas Metodologias do Ensino Superior de Enfermagem. Mestrado e Doutorado em Enfermagem na área da Saúde da Mulher pela EEAN/UFRJ. Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem em Saúde da Mulher/ NUPESM, líder do grupo de pesquisa de Saúde Sexual e Reprodutiva. Atua em cursos de graduação, especialização e pós-graduação, além de exercer atividades de extensão. Participa como Editora Associado da Revista Escola Anna Nery/UFRJ. Membro da Diretoria Colegiada do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem na Saúde da Mulher (2006-2008).Vice-presidente da Associação Brasileira de Enfermeiros Obstetras (ABENFO) sessão RJ (2010-2012) e atualmente faz parte da Diretoria da ABENFO/RJ. Coordenadora da Residência Multiprofissional em Saúde da Mulher do Instituto de Atenção Básica de Saúde São Francisco de Assis/HESFA/UFRJ. Vice-presidente da Comissão da Residência Multiprofissional em Saúde da UFRJ - COREMU. Coordenadora do Projeto de Extensão sobre Saúde Sexual e Reprodutiva do Adolescente da UFRJ. Discute questões da Mulher em âmbito acadêmico e social, no exterior e no Brasil como Conferencista e expositora de trabalhos científicos na divulgação de pesquisas realizadas. É Consultora AD HOC de periódicos Nacionais e Internacionais na área da Saúde da Mulher.Tem experiência na área de Enfermagem, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem ginecológica, enfermagem obstétrica, saúde da mulher, saúde sexual e reprodutiva e representações sociais.
Anna Maria Oliveira Salimena, Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora - MG
Possui Graduação em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem Hermantina Beraldo (1978), Mestrado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (2000) e Doutorado em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007). Atualmente é professor associado da Universidade Federal de Juiz de Fora desenvolvendo atividades no Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora e no Programa de Pós-graduação Mestrado em Enfermagem. Coordenadora do Programa de Pós-graduação Mestrado em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da UFJF e Coordenadora Operacional do DINTER UFJF/UNICAMP. Tem experiência assistencial, docente, pesquisa e extensão na área de Enfermagem em: Saúde do Adulto, Centro Cirúrgico, Enfermagem Cirúrgica, Saúde do Adulto desenvolvendo estudos de natureza qualitativa de pesquisa com ênfase na fenomenologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Enfermagem Cirúrgica, Enfermagem em Saúde da Mulher, Câncer Ginecológico, Hemodiálise, Sentimentos, Morte e terminalidade.

Citas

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Gestação de Alto Risco: manual técnico. Brasília (DF); 2012a.

Tandu-Umba B, Mbangama MA, Kamongola KM, Kamgang Tchawou AG, Kivuidi MP, Kasonga Munene S, et al. Pre-pregnancy high-risk factors at first antenatal visit: how predictive are these of pregnancy outcomes? Int J Women’s Health. 2014; 5(6): 1011-8.

Kassebaum NJ, Bertozzi-Villa A, Coggeshall MS, Shackelford KA, Steiner C, Heuton KR, et al. Global, regional and national levels and causes of maternal mortality during 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014; 384: 980-1004.

Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna [Internet]. Portal do Governo Brasileiro - [acesso 9 agosto 2014]. Disponível em: http://svs.aids.gov.br/dashboard/mortalidade/materna.show.mtw

Brasil. Lei n. 7486, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Portal da legislação. 2014. Disponível em: http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/128195/lei-7498-86

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 223, de 03 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na assistência à mulher no ciclo gravídico puerperal. Portal do Conselho Federal de Enfermagem. 2014. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-2231999_4266.html

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método para incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008 Out-Dez; 17(4): 758-64.

Ursi ES, Galvão CM. Prevenção de lesão de pele no período perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev Latino-am Enfermagem. 2006;14(1):124-31.

Melnyk BM, Fineout-Overholt E. Evidence-based practice in nursing and healthcare: a guide to best practice. Philadelphia: Lippincot Williams & Wilkins; 2005.

Martins M, Monticelli M, Bruggemann OM, Costa R. A produção de conhecimento sobre hipertensão gestacional na pós-graduação stricto sensu da enfermagem brasileira. Rev Esc Enferm USP. 2012 Ago; 46(4): 802-8.

Caetano LC, Netto L, Manduca JNL. Gravidez depois dos 35 anos: uma revisão sistemática da literatura. Rev Min Enferm. 2011 Out-Dez; 15(4): 579-87.

Souza NL, Araújo ACPF, Costa ICC. Representações sociais de puérperas sobre as síndromes hipertensivas da gravidez e nascimento prematuro. Rev Latino-Am Enferm. [Internet]. 2013 [acesso 20 abril 2014];21(3): 8 telas. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rlae/article/viewFile/75979/79524

Souza NL, Araújo ACPF, Costa ICC. Significados atribuídos por puérperas às síndromes hipertensivas da gravidez e nascimento prematuro. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(6): 1285-92.

Azevedo DV, Araújo ACPF, Costa ICC, Medeiros Jr A. Percepções e sentimentos de gestantes e puérperas sobre a pré-eclâmpsia. Rev SaludPública. 2009 Jun; 11(3): 347-58.

Black KD.Stress, Symptoms, Self-monitoring confidence, Well-being and Social support in the progression of preeclampsia/gestational hypertension. J ObstetGynecol Neonatal Nurs. 2007 Set-Out; 36(5): 419-29.

Gupton A, Heaman M, Cheung LW. Complicated and Uncomplicated Pregnancies: Women’s Perception of Risk. J ObstetGynecol Neonatal Nurs. 2001 Mar-Abr; 30(2): 191-201.

Richter MS, Parkes C, Chaw-Kant J. Listening to the Voices of hospitalized High-Risk Antepartum Patients. J ObstetGynecol Neonatal Nurs. 2007 Jul-Ago; 36(4): 313-18.

Dunn LL, Handley MC, Shelton MM. Spiritual well-being, anxiety, and depression in antepartal women on bedrest.Issues Ment Health Nurs .2007 Nov; (28): 1235-46.

Harris JM, Franck L, Green B, Michie S. The psychological impact of providing women with risk information for pre-eclampsia: a qualitative study. Midwifery. 2014; 30:1187-95.

Araújo MFM, Pessoa SMF, Damasceno MMC, Zanetti ML. Diabetes gestacional na perspectiva de mulheres grávidas hospitalizadas. Rev Bras Enferm. 2013 Mar-Abr; 66(2): 222-7.

Lara Vásquez C, Pulido Acuña GP, Castiblanco Montañez RA. La fenomenologia para el estúdio de la experiência de la gestación de alto riesgo. Enfermeria Global. 2012 Out; (28): 295-305.

Mu, P-F. Maternal role transition experiences of women hospitalized with PROM: a phenomenological study. Int J Nurs Stud. 2004 Nov; (41):825-32.

Price S, Lake M, Breen G, Carson G, Quinn C, O’ Connor T.The Spiritual Experience of High-Risk Pregnancy. NursWomens Health. 2007 Jan-Fev; 36(1): 63-70.

Biró MA, Waldenstrom U, Brown S, Pannifex JH.Satisfaction with Team Midwifery Care for Low- and High-Risk Women: A Randomized Controlled Trial. Birth. 2003 Mar;30(1):1-10.

Morrison JC, Roberts WE, Jones JS, Istwan N, Rhea D, Stanziano D. Frequency of nursing, physician and hospital interventions in women at risk for preterm delivery. J Matern Fetal Neonatal Med. 2004 Ago; (16): 102-5.

Brooten D, Youngblut JM, Donahue D, Hamilton M, Hannan J, Neff DF.Women with High-Risk Pregnancies, Problems and APN Interventions. J NursScholarsh.2007; 39(4): 349-57.

Spindola T, Lima GLS, Cavalcanti LR. A ocorrência de pré-eclâmpsia em mulheres primigestas acompanhadas no pré-natal de um hospital universitário. Rev pesqui cuid fundam. [Internet]. 2013 [acesso 20 abril 2014];5(3): 235-44. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2085/pdf_860

Farias MCAD, Nóbrega MML. Diagnósticos de enfermagem numa gestante de alto risco baseados na teoria do autocuidado de Orem: Estudo de caso. Rev Latino-Am Enferm. 2000 Dez; 8(6): 59-67.

Gouveia HG, Lopes MHBM. Diagnósticos de enfermagem e problemas colaborativos mais comuns na gestação de risco. Rev Latino-Am Enferm. 2004 Mar-Abr; 12(2): 175-82.

Aguiar MIF, Freire PBG, Cruz IMP, Linard AG, Chaves ES, Rolim ILTP. Sistematização da assistência de enfermagem a paciente com síndrome

hipertensiva específica da gestação. Rev RENE. 2010 Out-Dez; 11(4): 66-75.

Zampieri MFM. Vivenciando o processo educativo em enfermagem com gestantes de alto risco e seus acompanhantes. Rev Gaúcha Enferm. 2001 Jan; 22(1): 140-66.

Zampieri MFM. Manejos na assistência à gestação de alto risco. Revista Nursing. 2002 Mai; 5(48): 18-23.

Neta FAV, Crisóstomo VL, Castro RCMB, Pessoa SMF, Aragão MMS, Calou CGP. Avaliação do perfil e dos cuidados no pré-natal de mulheres com diabetes mellitus gestacional. Rev RENE. 2014 Set-Out; 15(5): 823-31.

Publicado
28-03-2017
Cómo citar
[1]
Amorim, T.V., Souza, Ívis E. de O., Moura, M.A.V., Queiroz, A.B.A. y Salimena, A.M.O. 2017. Perspectivas de los cuidados de enfermería en el embarazo de alto riesgo: revisión integradora. Enfermería Global. 16, 2 (mar. 2017), 500-543. DOI:https://doi.org/10.6018/eglobal.16.2.238861.
Sección
Revisiones