Relación entre los casos de sífilis y la estrategia de salud de familia en el noreste del Brasil

Relação entre os casos de sífilis e a estratégia saúde da família no nordeste brasileiro

Autores/as

DOI: https://doi.org/10.6018/eglobal.436421
Palabras clave: Sífilis;, Cuidado Pré-Natal;, Estratégia Saúde da Família.

Resumen

Objetivos: Este estudio tiene como objetivo comprender las relaciones entre el progreso de la cobertura de la Estrategia de Salud de Familia en los nueve estados del noreste y las tasas de detección de sífilis en mujeres embarazadas y congénitas entre 2008 y 2017.
Métodos: Se trata de un estudio observacional, descriptivo y transversal en el que se correlacionaron las tasas de detección de sífilis de gestación y sífilis congénita en los estados nororientales y en esta región en su conjunto con la respectiva cobertura media anual de la Estrategia de Salud de Familia. Para ello, se realizó la prueba del coeficiente de correlación de Pearson para estas dos variables utilizando el software del Statistical Package for the Social Sciences 25.
Resultados: El análisis estadístico de los datos de los estados permitió identificar que, al igual que en los datos agrupados de la región, a medida que aumentó la cobertura de la Estrategia de Salud de Familia, la tasa de detección de casos de sífilis en mujeres embarazadas y congénitas también aumentó significativamente en la mayoría de los estados, y en la región nordeste en su conjunto.
Conclusiones: El Sistema Único de Salud a través de la Estrategia de Salud de Familia ha dado lugar a importantes avances relacionados con el seguimiento del embarazo, el puerperio y el desarrollo infantil, así como en el diagnóstico temprano de infecciones como la sífilis. Sin embargo, además del diagnóstico, se necesitan mejoras significativas en el tratamiento y la prevención de estas enfermedades en la región noreste.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Michael Machado, Universidade Federal de Alagoas - Campus Arapiraca

Sanitarista. Professor de Saúde Coletiva, no Curso de Medicina, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Doutor e Mestre pela Universidade Federal de Pernambuco. Graduado pela Universidade Federal de Alagoas, realizou mobilidade internacional na Universidade do Porto (Portugal). Coordena o Núcleo de Estudos em Medicina Social e Preventiva- CNPq/UFAL. Docente permanente no Mestrado Profissional em Saúde da Família (ProfSaúde - UFAL/FIOCRUZ/ABRASCO). Representante da UFAL na CIES/AL. Filiado à Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). Integrante da Rede Brasileira de Educação e Trabalho em Saúde e da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação. É colaborador- voluntário da Amnistia Internacional (Portugal) e da Escola de Saúde Pública de Pernambuco. Atualmente desenvolve pesquisas na área de Saúde Coletiva, com ênfase nos seguintes temas: Equidade e Políticas Públicas de Saúde; Política, Planejamento e Gestão em Saúde; Saúde Materno-infantil.

Citas

Brasil. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. Brasília (DF); 1988. [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf

Guerra M. Modelo de alocação de recursos do sistema único de saúde para organizações hospitalares: serviços de alta complexidade. [tese]. Brasília: Universidade de Brasília. 2013.

Castro ALB. Atenção Primária e relações público privadas no Sistema de Saúde do Brasil [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, 2015.

Neves RG, Flores TR, Duro SMS, Nunes BP, Tomasi E. Tendência temporal da cobertura da Estratégia Saúde da Família no Brasil, regiões e Unidades da Federação, 2006-2016. Epidemiol. Serv. Saude. [periódico on-line]. 2018. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 27(3):e2017170. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2237-96222018000300302&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Arantes LJ, Shimizu HE, Hamann EM. Contribuições e desafios da Estratégia Saúde da Família na Atenção Primária à Saúde no Brasil: revisão da literatura. Ciênc. saúde coletiva [periódico on-line]. Maio de 2016 [acesso em 18 de janeiro de 2020]; 21(5): 1499-1510. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000501499&lng=en

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM no 1.459, de 24 de julho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília (DF), 2011. [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico sífilis 2018. Brasília (DF); outubro de 2018; volume 49, nº 45. [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2018/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2018

Andrade HS, Rezende NFG, Gacia MN, Guimarães EAA. Caracterização epidemiológica dos casos de sífilis em mulheres. Ciência & Saúde [periódico on-line]. 2019 [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/32124/17807

Cardoso ARP, Araújo MAL, Cavalcante MS, Frota MA, Melo SP. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc. saúde coletiva [periódico on-line]. Fevereiro de 2018 [Acesso em 11 de março de 2020]; 23( 2 ): 563-574. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232018000200563&lng=en

Nunes PS, Zara ALSA, Rocha DFNC, Marinho TA, Mandacarú PMP, Turchi MD. Sífilis gestacional e congênita e sua relação com a cobertura da Estratégia Saúde da Família, Goiás, 2007-2014: um estudo ecológico. Epidemiol. Serv. Saude. [periódico on-line]. 2018. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 27(4):e2018127. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2237-96222018000400313&lng=pt&nrm=iso

Carvalho FC, Vasconcelos TB, Arruda GMMS, Macena RHM. Modificações nos indicadores sociais na região Nordeste após a implementação da Atenção Primária. Trab. Educ. Saúde [periódico on-line]. 2019 [Acesso em 11 de março de 2020]. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462019000200503

Domingues RMSM, Saracen V, Hartz ZMA, Leal MC. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistência pré-natal. Rev Saúde Pública. [periódico on-line]. 2013. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 47(1): 147-157. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102013000100019

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico Sífilis 2017. Brasília (DF); 2017; volume 48, nº 36. [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2017/boletim-epidemiologico-de-sifilis-2017

Lafetá KRG, Martelli Júnior H, Silveira MF, Parnaíba LMR. Sífilis materna e congênita, subnotificação e difícil controle. Rev Bras Epidemiol. [periódico on-line]. 2016. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 19 (1): 63-74. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2016000100063&script=sci_abstract&tlng=pt

Melo EA, De mendonça MHM, Teixeira M. A crise econômica e a Atenção Primária à Saúde da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. [periódico on-line]. 2019. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 24(12):4593-4598. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232019001204593&script=sci_arttext

Figueiredo DCMM, Figueiredo AM, Souza TKB, Tavares G, Vianna RPT. Relação entre oferta de diagnóstico e tratamento da sífilis na atenção básica sobre a incidência de sífilis gestacional e congênita. Cad. Saúde Pública. [periódico on-line]. 2020. [Acesso em 05 de maio de 2020]. 36 (3):e00074519. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2020000305009&script=sci_arttext

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Implantação das Redes de Atenção à Saúde e Outras Estratégias da SAS. Brasília (DF); 2014. [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/implantacao_redes_atencao_saude_sas.pdf

Moraes BQS, Machado MF, Sousa CDF. Impacto da rede cegonha nas tendências de sífilis no Maranhão 2008-2017. UNITPAC. [periódico on-line]. 2020. [Acesso em 05 de maio de 2020]. 13 (1): 64-71. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/340237750_IMPACTO_DA_REDE_CEGONHA_NAS_TENDENCIAS_DE_SIFILIS_NO_MARANHAO_2008-2017

Kenyon C, Buyze J, Colebunders R. Classification of incidence and prevalence of certain sexually transmitted infections by world regions. Int JInfect Dis. [periódico on-line]. 2014. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 18: 73-80. Disponível em: https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(13)00306-8/fulltext

Lazarini FM, Barbosa DA. Intervenção educacional na atenção básica para prevenção da sífilis congênita. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [periódico on-line]. 2017. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 25:e2845. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v25/pt_0104-1169-rlae-25-02845.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Nota Informativa Conjunta Nº 109/2015/GAB/SCTIE/MS. Orienta a respeito da priorização da penicilina G benzatina para sífilis em gestantes e penicilina cristalina para sífilis congênita no país e alternativas para o tratamento da sífilis. Brasília (DF); 2015. [acesso em 18 de janeiro de 2020]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/legislacao/nota-informativa-conjunta-no-109105gabsvsms-gabsctiems

Araújo CL, Shimizu HE, Sousa AIA, Hamann EM. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev. Saúde Pública [periódico on-line]. Junho de 2012 [acesso em 18 de janeiro de 2020]; 46(3): 479-486. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102012000300010&lng=en

Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JGD. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol. Serv. Saúde [periódico on-line]. Junho de 2017 [Acesso em 11 de março de 2020]; 26(2): 255-264. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222017000200255&lng=pt. https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000200003

Leal MC, Gama SGN, Pereira APE, Pacheco VE, Carmo CN, Santos RV. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cad. Saúde Pública. [periódico on-line]. 2017. [Acesso em 11 de maio de 2020]. 33 (Sup 1):e00078816. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v33s1/1678-4464-csp-33-s1-e00078816.pdf

Publicado
01-01-2021
Cómo citar
[1]
Machado, M., Carolina Gomes Felix, I. , Farias de Oliveira, T., Santos Duarte, M. y Carlos Barbosa Gama Filho, A. 2021. Relación entre los casos de sífilis y la estrategia de salud de familia en el noreste del Brasil : Relação entre os casos de sífilis e a estratégia saúde da família no nordeste brasileiro . Enfermería Global. 20, 1 (ene. 2021), 305-340. DOI:https://doi.org/10.6018/eglobal.436421.
Número
Sección
Originales