Prácticas de ortotanasia y cuidados paliativos en pacientes con cáncer terminal: una revisión sistemática de la literatura

  • Hélen Rimet Alves de Almeida Universidade de Fortaleza
  • Cynthia de Freitas Melo Universidade de Fortaleza
Palabras clave: Ortotanasia, Cuidados paliativos, Cáncer

Resumen

Se objetivó investigar la producción científica sobre la práctica de ortotanasia y cuidados paliativos en pacientes con cáncer terminal. Para eso, se realizó una revisión sistemática de la literatura por medio de búsqueda de artículos en el portal de periódicos de la “Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior” (Capes), publicados en portugués, en el intervalo de 2011 a 2016, que presentaban los descriptores: "Ortotanasia" AND "Cáncer" (f = 6); OR "Cuidados Paliativos" AND "Cáncer" (f = 70). Después de la selección por medio de criterios de exclusión, se analizaron 19 artículos. Los resultados evidencian la existencia de la obstinación terapéutica. Por otro lado, refuerzan la importancia del proceso de humanización de la muerte y de la toma de decisión sobre la ortotanasia hecha por profesionales, pacientes y familiares.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Hélen Rimet Alves de Almeida, Universidade de Fortaleza
Psicóloga. Historiadora.  Mestre e Doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-graduação da Universidade de Fortaleza – UNIFOR.
Cynthia de Freitas Melo, Universidade de Fortaleza
Psicologa. Especialista em Saúde Coletiva. Especialista em Psicologia Cognitivo Comportamental. Mestre em Psicologia Social. Doutora em Psicologia. Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UNIFOR.

Citas

Silva LB. Condições de vida e adoecimento por câncer. Libertas. 2012; 10(2), 172-187.

Santos DBA, Lattaro RCC, Almeida DA. Cuidados paliativos de enfermagem ao paciente oncológico terminal: revisão da literatura. Revista de Iniciação Científica da Libertas. 2016; 1(1), 72-84.

Krikorian A, Limonero JT. Factors Associated with the Experience of Suffering in Advanced Cancer Patients. Avances en Psicología Latinoamericana. 2015; 33(3), 423-438.

Sanchez y Sanches KM, Seidl EMF. Ortotanásia: uma decisão frente à terminalidade. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2013; 17(44), 23-34.

Cordeiro FR, Beuter M, Roso CC, Kruse, MH. Pain and the dying process: nurses’ perspectives using the creative and sensible method. Online Brazilian Journal of Nursing. 2013; 12(1), 106-119.

Bomtempo TV. A ortotanásia e o direito de morrer com dignidade: uma análise constitucional. Revista Síntese de Direito de Família. 2011; 13(68), 73-92.

Silva JACD. O fim da vida: uma questão de autonomia. Nascer e Crescer. 2014; 23(2), 100-105.

Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH) (2014). Protocolos ISGH I: Cuidados Paliativos. Recuperado de http://www.isgh.org.br/intranet/images /Servicos /Protocolos/ isgh_protoco_cuidado_paliativo.pdf

Fernandes MA, Evangelista CB, Platel ICDS, Agra G, Lopes MDS, Rodrigues FDA. Percepção dos enfermeiros sobre o significado dos cuidados paliativos em pacientes com câncer terminal. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18(9), 2589-2596.

Lech SS, Destefani AS, Bonamigo EL. Percepção dos médicos sobre comunicação de más notícias ao paciente. Unoesc & Ciência – ACBS. 2013; Joaçaba, 4(1), 69-78.

Piñeros CER, Cuartas MS, Davalos DM. El cáncer de colon y recto en cuidados paliativos: una mirada desde los significados del paciente. Avances en Psicología Latinoamericana. 2015; 33(3), 439-454.

Silva JACD, Souza LEA, Silva LC, Teixeira RKC. Distanásia e ortotanásia: práticas médicas sob a visão de um hospital particular. Revista Bioética. 2014; 22(2), 358-366.

Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia (2012). Diretrizes metodológicas: elaboração de revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos randomizados. Brasília.

Santos MA, Aoki FCDOS, Oliveira-Cardoso EA. Significado da morte para médicos frente à situação de terminalidade de pacientes submetidos ao Transplante de medula Óssea. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18(9), 2625-2634.

Cassol PB, Quintana AM, Velho MTAC, Nunes JB. Autonomia do paciente terminal: percepção da enfermagem de uma unidade de internação hemato oncológica. Journal of Nursing and Health. 2016; 6(2), 298-308.

Matos E, Pires DEP, Gelbcke FL. Implicações da interdisciplinaridade na organização do trabalho da enfermagem: estudo em equipe de cuidados paliativos. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2012; 14(2), 230-239.

Miranda J, Lo Bianco A C. Corpo e finitude - a escuta do sofrimento como instrumento de trabalho em instituição oncológica. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18(9), 2515-2522.

Silva VA, Sales CA. Encontros musicais como recurso em cuidados paliativos oncológicos a usuários de casas de apoio. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2013; 47(3), 626-633.

Queiroz ACDCM, Mota DDCF, Bachion MM, Ferreira ACM. Úlceras por pressão em pacientes em cuidados paliativos domiciliares: prevalência e características. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2014; 48(2), 264-271.

Garcia JBS, Rodrigues RF, Lima SF. A estruturação de um serviço de cuidados paliativos no Brasil: relato de experiência. Rev Bras de Anestesiologia. 2014; 64(4), 286-291.

Nascimento DM, Rodrigues TG, Soares MR, Rosa MLS, Viegas SMF, de Salgado PO. Experiência em cuidados paliativos à criança portadora de leucemia: a visão dos profissionais. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2013; 18(9), 2721-2728.

Mutti CF, Padoin SMDM, Paula CCD. Espacialidade do ser-profissional-de-enfermagem no mundo do cuidado à criança que tem câncer. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2012; 16(3), 493-499.

Reis TLR, Paula CC, Potrich T, Padoin SMM, Bin A, Mutti CF, Bubadué, RM. Relações estabelecidas pelos profissionais de enfermagem no cuidado às crianças com doença oncológica avançada. Aquichán. 2014; 14(4), 496-508.

Monteiro ACM, Rodrigues BMRD, Pacheco STA. O enfermeiro e o cuidar da criança com câncer sem possibilidade de cura atual. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2012; 16(4), 741-746.

França JRFS, Costa SFG, Lopes MEL, Nóbrega MML, França ISX. Importância da comunicação nos cuidados paliativos em oncologia pediátrica: enfoque na Teoria Humanística de Enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2013; 21(3), 780-786.

Pinto S, Caldeira S, Martins JC. A esperança da pessoa com cancro: estudo em contexto de quimioterapia. Revista de Enfermagem Referência. 2012; 3(7), 23-31.

Alves MLSD, Jardim MHAG, Freitas OMS. Sofrimento do doente oncológico em situação paliativa. Revista de enfermagem referência. 2012; 3(8), 115-124.

Sales CA, Grossi ACM, Almeida CSL de, Silva DDJ, Marcon SS. Cuidado de enfermagem oncológico na ótica do cuidador familiar no contexto hospitalar. Acta Paulista de Enfermagem. 2012; 25(5).

Sanches MVP, Nascimento LC, Lima RAG. Crianças e adolescentes com câncer em cuidados paliativos: experiência de familiares. Revista Brasileira de Enfermagem. 2014; 67(1), 28-35.

Silva MM, Lima LS. Participação do familiar nos cuidados paliativos oncológicos no contexto hospitalar: perspectiva de enfermeiros. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2014; 35(4), 14-19.

Publicado
29-06-2018
Cómo citar
[1]
Almeida, H.R.A. de y Melo, C. de F. 2018. Prácticas de ortotanasia y cuidados paliativos en pacientes con cáncer terminal: una revisión sistemática de la literatura. Enfermería Global. 17, 3 (jun. 2018), 529-574. DOI:https://doi.org/10.6018/eglobal.17.3.299691.
Sección
Revisiones