A pesquisa participante e a construção do protagonismo camponês na transição agroecológica: o caso do assentamento Sílvio Rodrigues, Goiás, Brasil

  • Nina Paula Laranjeira Universidade de Brasília
  • Cesar Adriano de Souza Barbosa Universidade de Brasília

Resumen

Este trabalho trata de projeto de pesquisa-ação/pesquisa participante desenvolvido no Assentamento Sílvio Rodrigues situado no município de Alto Paraíso de Goiás, entre 2014 e 2016, como ação de Extensão Universitária do Núcleo de Segurança Alimentar (NASPA) do Centro UnB Cerrado. A pesquisa teve como proposta realizar ações participativas, oferecendo o conhecimento e a estrutura acadêmica para que, por meio de processos dialógicos e análises de contextos em diversas escalas, avançássemos juntos na busca de soluções para problemas apontados pelos assentados. Fundamentada na transdisciplinaridade e no paradigma agroecológico, condizentes com a metodologia utilizada, a pesquisa propiciou a análise do processo de construção vivenciado, assim como as potencialidades e desafios enfrentados pelos assentados em sua trajetória até aqui, mostrando a dificuldade de estabilização dos assentamentos da reforma agrária no Brasil. Ao mesmo tempo, é visível o desejo de viver na terra, a origem campesina da maioria dos assentados e a importância de sua produção para o mercado local, o que foi sendo percebido por todos ao longo do tempo. O processo participativo propiciou melhoria na organização social e na transição agroecológica e trouxe importantes reflexões: para os agricultores sobre a necessidade de organização, e para os pesquisadores sobre o papel social da Universidade e sobre a importância da discussão sobre metodologias participativas no contexto de populações excluídas socialmente, e ainda distantes dos movimentos sociais. Ressalta-se a tomada de consciência sobre o papel da agricultura familiar de base agroecológica para a segurança alimentar e conservação ambiental.

Citas

Altiere M, Toledo VM. 2011. La Revolución Agroecológica en América Latina rescatar la naturaleza, asegurar la soberanía alimentaria y empoderar al campesino. SOCLA. http://rio20.net/wp-content/ uploads/2012/05/altieri_es.pdf.

Altieri MA, Nicholls CI. 2000. Agroecology and the search for a truly sustainable agriculture. Basic Textbooks for environmental training. Berkeley: University of California.

Barbosa CAS, Laranjeira NP, Schuler LF, Dhelomme AM, Costa NG. 2018. Curso de Agroecologia e Sustentabilidade no Cerrado oferecido pelo Centro UnB Cerrado/NASPA. VI Congresso Latino-americano de Agroecologia; X Congresso Brasileiro de Agroecologia; V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno. 2017. Brasília/DF. Cadernos de Agroecologia 13(1). http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/ article/view/365.

Brandão CR, Streck DR. 2006. A pesquisa participante e a partilha do saber: uma introdução. In Pesquisa participante: O saber da partilha (Brandão CR, Streck DR, orgs). Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2a ed.

Brandão CR. 1985. Participar-Pesquisar. In Repensando a pesquisa participante (Brandão CR, org). São Paulo: Brasiliense. 2a ed.

Brandão CR. 1990. Pesquisar-Participar. In Pesquisa participante (Brandão CR, org). São Paulo: Brasiliense, 8a ed.

Bruno R. 2016. Desigualdade, agronegócio, agricultura familiar no Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura 24(1): 142-160.

Caporal FR, Paulus G, Costabeber JA. 2009. Agroecologia: uma ciência do campo da complexidade. Brasília.

Carrillo AT. 2014a. Producción de conocimiento desde la investigación crítica. Nómadas 40: 68-83.

Carrillo AT. 2014b. Vigencia y perspectivas de la investigación participativa. In Conhecer e Transformar: pesquisa-ação e pesquisa participante em diálogo internacional (Streck DR, Sobottka EA, Eggert E, orgs). Curitiba: CRV.

Carrillo AT. 2015. La investigación acción participativa: entre las ciencias sociales y la educación popular. La Pirágua 41: 11-20.

Delgado F, Rist S. 2016. Las ciências desde la perspectiva diálogo intercientífico. In Ciencias, diálogo de saberes y transdisciplinaridad (Freddy D, Rist S, eds). Bolívia:AGRUCO.

Fals Borda O. 1990. Aspectos teóricos da pesquisa participante. In Pesquisa participante (Brandão CR, org). São Paulo: Brasiliense, 8a ed.

Freire P. 1992. Extensão ou Comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 10a ed.

Freire P. 2006. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 33a ed.

Gajardo M. 1986. Pesquisa Participante na América Latina. São Paulo: Brasiliense.

Gliessman SR. 2010. The framework for conversion. In The conversion to sustainable agriculture: principles, processes, and practices (Gliessman SR, Rosemeyer M, eds). Florida:Taylor & Francis Group.

Guzmán GI, López D, Román L, Alonso AM. 2013. Investigación acción participativa en agroecología: construyendo el sistema agroalimentario ecológico en España. Agroecología 8 (2): 89-100.

Laranjeira NP, Barbosa CAS, Dhelomme AM. 2014a. Juventude do campo e transição agroecológica. IV Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno. Brasília/DF. http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/15983.

Laranjeira NPF, Rodrigues LPF, Lulkin C, Barbosa CA, Dhelomme AM. 2014b. Formação de jovens do campo para a sustentabilidade na Chapada dos Veadeiros, Goiás, Brasil. Congreso Iberoamericano de Ciencia, Tecnología, Innovación y Educación. Buenos Aires, Argentina. Artículo 1212. http://www.oei.es/congreso2014/memorias2014.php.

Martinez-Torres ME, Rosset PM. 2016. Diálogo de saberes em La Vía Campesina: soberanía alimentaria y agroecología. Espaço Regional 1(13): 23-26.

Méndez VE, Bacon CM, Cohen, R. 2013. La Agroecología como un enfoque transdisciplinar, participativo y orientado a la acción. Agroecología 8 (2): 9-18.

Nicolescu B. 2000. O Manifesto da Transdisciplinaridade. Campinas-SP: Triom.

Santos BS. 2001. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 3a ed.

Santos BS. 2007b. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais 80: 11-43.

Santos BS. 2005. A Universidade no século XXI. São Paulo: Cortez.

Santos BS. 2007a. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo.

Sevilla-Guzmán E, Woodgate G. 2013. Agroecología: fundamento del pensamiento social agrario y teoría sociológica. Agroecología 8(2): 27-34.

Sevilla-Guzmán E. 2006 Agroecología y agricultura del diálogo de sabres, la transdisciplinaridad y el ecológica: hacia una “re”construcción de la soberanía alimentaria. Agroecología 1: 7-18.

Sosa BM, Jaime AMR, Lozano DRA, Rosset PM. 2013. Revolução Agroecológica: O Movimento Camponês a Camponês da ANAP em Cuba. São Paulo: Expressão Popular, 2a ed.

Streck DR, Adams T. 2014. Pesquisa participativa, emancipação e (des)colonialidade. Curitiba: CRV.

Thiollent M. 1985. Notas para o debate sobre a pesquisa-ação. In Repensando a pesquisa participante (Brandão CR, org). São Paulo: Brasiliense, 2a ed.

Thiollent M. 2011. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 18a ed.

Thiollent M. 2014. Pesquisa-ação e pesquisa participante: uma visão de conjunto. In Conhecer e Transformar: pesquisa-ação e pesquisa participante em diálogo internacional (Streck DR, Sobottka EA, Eggert E, orgs). Curitiba: CRV.
Publicado
27-06-2019
Sección
Artículos