Os conflitos entre o agronegócio e os direitos das populações: O papel do campo científico

  • Raquel María Rigotto
Palabras clave: conflitos ambientais, agrotóxicos, ciência

Resumen

A partir da compreensão de que o modelo de desenvolvimento agrícola impulsionado pelo governo brasileiro coaduna-se e viabiliza a reprimarização da economia imposta ao país pelo mercado transnacionalizado, reflete-se sobre os interesses e as violações de direitos articuladas à expansão do agronegócio, especialmente na produção de commodities. Considerando o modelo de produção químico-dependente, os impactos dos agrotóxicos ao ambiente e à saúde humana são detalhados a partir de pesquisa realizada em região de fruticultura irrigada para exportação no semi-árido do nordeste do Brasil, apresentando dados sobre a contaminação de aquífero e de água para consumo humano, assim como de intoxicações agudas e efeitos crônicos caracterizados em trabalhadores rurais, além da violência contra lideranças comunitárias. Neste contexto debatem-se alguns desafios atuais da ciência, tanto epistemológicos quanto metodológicos, para contribuir na visibilização destas contradições, abrir espaço para o diálogo com a riqueza de saberes dos povos do campo, e avançar na construção teórica e empírica de outras formas de relação com a natureza e de produção de vida e saúde, nas trilhas da Agroecologia.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Cómo citar
Rigotto, R. M. (1). Os conflitos entre o agronegócio e os direitos das populações: O papel do campo científico. Agroecología, 7(2), 133-142. Recuperado a partir de https://revistas.um.es/agroecologia/article/view/182911
Sección
Artículos