NOTAS PARA UMA GEOMETRIA DA INOCÊNCIA EM MARIA GABRIELA LLANSOL

  • Cinzia Russo
Palabras clave: Inocência, toque, mútuo, memória, conhecimento

Resumen

Resumo: O artigo aborda o tema da polissemia do «toque» na obra de Maria Gabriela Llansol e do grande poder criador que possui essa acção. O «toque» inocente abre caminho para um outro espaço originário e imaginante de jogo e de conhecimento. Abre a “porta” a que a autora chama o «mútuo», um lugar de encontro e de conversa amorosa, onde o amor nos espera a sós. Qualquer ser que passe por aquela «porta», sabe que tem uma possibilidade de crescimento segundo a sua própria lei. Ninguém pode renunciar a sua própria lei de crescimento, sob pena de morrer: essa é a sua maneira de viver nesse espaço. O encontro com o «mútuo» «proporciona» a cada ser a possibilidade de seguir o seu fim específico. Viver assim significa ter uma magnífica capacidade de conhecer e uma extraordinária apetência de conhecimento. «Nesse espaço, viver é ir à procura do conhecer». Procuremos viver. Vamos viver no querer conhecer.

Abstract: The theme of this article is the polysemy of «touch» in the work of Maria Gabriela Llansol and the great creative power that this action has. The innocent «touch» opens a way to another original and imaginary space of playing and of knowledge. It opens the «door» that the author calls the «mutual», a place of meeting and loving conversation, where love awaits us alone. Any person who passes through that «door» knows that he or she has a possibility of growth according to his or her own law. No one can renounce his or her own law of growth, on penalty of dying: that law is his or her peculiar way of living in that space. The encounter with the «mutual» gives each being the possibility of following its specific purpose. To live this way means to have a magnificent capacity to know and an extraordinary appetite for knowledge. «In this space, to live is to search with the aim to knowing.» Let’s try to live. Let’s live in the aiming to know.

Citas

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

LLANSOL, Maria Gabriela (2014), A palavra imediata. Livro de Horas IV, Porto, Assírio & Alvim.

LLANSOL, Maria Gabriela (2009), «Sou um canibal de olhos…», separata de A Phala, pp. 1-8.

LLANSOL, Maria Gabriela (2005), Finita, Lisboa, Assírio & Alvim.

LLANSOL, Maria Gabriela (2003), Na casa de Julho e Agosto, Lisboa, Relógio d’Água.

LLANSOL, Maria Gabriela (2003), O jogo da liberdade da alma, Lisboa, Relógio d’Água.

Publicado
17-05-2019
Cómo citar
Russo, C. (2019). NOTAS PARA UMA GEOMETRIA DA INOCÊNCIA EM MARIA GABRIELA LLANSOL. El Azufre Rojo, (6). https://doi.org/10.6018/azufre.378611
Sección
Artículos