Um enterramento de Alto de Brinches 3, Serpa, Beja: Reflexões a propósito da interação homem-animal no Calcolítico do Sudoeste de Portugal

  • Joana Rita Inocêncio
  • Eduardo Porfirío
Palabras clave: Enterramento humano, Enterramento de canídeo, interação homem-animal, Calcolítico, Alentejo, Sudoeste de Portugal

Resumen

O presente texto tem como objetivo dar a conhecer um contexto funerário calcolítico associado a um enterramento de canídeo, encontrado na estação arqueológica de Alto de Brinches 3, em Serpa, Beja, no interior do sudoeste Alentejano e, a partir daí efetuar algumas interpretações, ainda que preliminares sobre esta ocorrência.

O enterramento humano, realizado no interior de uma fossa escavada no substrato geológico, correspondia a uma inumação primária individual. O corpo estava orientado no sentido oeste/este e depositado em decúbito lateral esquerdo, em posição fetal. Em associação com este enterramento, no mesmo nível estratigráfico, foi depositado o esqueleto completo de um canídeo. Pela análise do espólio cerâmico existente sobre e sob estes enterramentos foi possível datar esta ocorrência do Calcolítico.

A associação homem-animal, rara no contexto português, principalmente no Calcolítico, parece evidenciar que os canídeos terão tido importância real e simbólica no universo cosmológico das comunidades calcolíticas, talvez evidenciando vestígios de uma conceção do mundo onde a paridade entre homem-animal, seria ainda relevante.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
Publicado
22-06-2015
Cómo citar
Rita InocêncioJ., & PorfiríoE. (2015). Um enterramento de Alto de Brinches 3, Serpa, Beja: Reflexões a propósito da interação homem-animal no Calcolítico do Sudoeste de Portugal. Anales De Prehistoria Y Arqueología, 30, 45-53. Recuperado a partir de https://revistas.um.es/apa/article/view/230431
Sección
Artículos