El conocimiento de las personas que viven con el VIH/SIDA acerca de la terapia antirretroviral

Danielle Chianca de Andrade Moraes, Regina Célia de Oliveira, Adriana Vitorino Arruda do Prado, Juliana da Rocha Cabral, Cristiane Aline Corrêa, Marcella Maria Barbosa de Albuquerque

Resumen


Con el objetivo de analizar los conocimientos de las personas que viven con el VIH/SIDA (PVVS) en la terapia antirretroviral (ART), se ha elaborado un estudio descriptivo de corte transversal, enfoque cuantitativo, en los servicios de asistencia especializada (SAE) de los municipios de Caruaru y Garanhuns-PE, Brasil. El estudio incluyó a 256 PVVS. Los datos fueron analizados mediante estadística descriptiva e inferencial. Se encontró que la mayoría  de los entrevistados eran hombres; entre 30 y 49 años. Sólo 56 PVVS presentan escuela secundaria superior. Se observó que grupo de edad, religión, educación e ingresos familiares están significativamente asociados (p > 0.05) en el nivel de conocimiento acerca del ART. En cuanto a los conocimientos sobre la acción de medicamentos anti-retrovirales, 27,7% no sabían o habían divulgado, erróneamente, que el medicamento actúa destruyendo el VIH. Con respecto a la indicación de la HAART, 82% respondió que está indicado para el control del virus. En cuanto a la duración del tratamiento, 12,5% informó que este dura hasta la normalidad en los resultados de la prueba. El conocimiento acerca de las precauciones con el uso de otras medicinas, 25% informó que puede hacer uso de las medicinas, sin tener en cuenta consejos médicos. Los efectos adversos gastrointestinales y psiquiátricos fueron los más conocidos (69.1% y 39.8%). Se concluye que el conocimiento acerca de la terapia es un aspecto que puede contribuir a una adherencia insuficiente y que debe ser trabajado por profesionales de la salud que trabajan en pequeñas empresas agrícolas.

Palabras clave


VIH; Síndrome de la Inmunodeficiencia Adquirida; Medicamentos Antirretrovirales; Conocimiento del Paciente acerca de la Medicación

Referencias


Unaids - the joint united nations programme on hiv/aids. Global report: UNAIDS report on the global AIDS epidemic. Geneva, 2013. Disponível em: [Acesso em 2016 fev 26].

Picelli I, Díaz-Bermúdez XP. Será que esse remédio vai valer a pena mesmo? Estudo antropológico sobre a adesão às terapias antirretrovirais entre grupos de mútua ajuda de pessoas vivendo com HIV/aids. Saude soc. 2014 [acesso em 2016 fev 26]23(2) 496-509. Disponível em:

Fiuza MLT, et al. Adesão ao tratamento antirretroviral: assistência integral baseada no modelo de atenção às condições crônicas. Esc. Anna Nery R. Enferm. - Bra-. 2013 [acesso em 2016 fev 26]17(4) 740-748. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452013000400740

Nações unidas no Brasil. Vice-chefe do UNAIDS destaca papel do Brasil no combate ao HIV, 2016. Disponível em: https://nacoesunidas.org/vice-chefe-unaids-destaca-papel-do-brasil-no-combate-ao-hiv/ [Acesso em 2016 fev 26].

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/Aids. Boletim epidemiológico. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: . [Acesso em 2016 fev 27].

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/Aids. Protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2013 [Acesso em 2016 fev 27].

Silva R, et al. Limites e obstáculos na adesão à terapia antirretroviral. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2014 [acesso em 2016 jan 12]6(4) 1732-1742. Disponível em: < http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3148/pdf_1309 >

Souza C, et al. Transtorno bipolar e medicamentos: adesão, conhecimento dos pacientes e monitorização sérica do carbonato de lítio. Rev Latino-am Enfermagem – Bra. 2013 [acesso em 2016 fev 25]21(3) 1-8. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692013000200624>

Moraes DCA, et al. Terapia antirretroviral: a associação entre o conhecimento e a adesão. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2015 [acesso em 2016 jan 17]7(4) 3563-3573. Disponível em:

Pereira LB, et al. et al. Fatores sociodemográficos e clínicos associados à TARV e à contagem T-CD4. RBCS. 2012 [acesso em 2016 jan 25]16(2) 149-160. Disponível em: < http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/11544/7321>.

Pereira AV, Vieira ALS, Amâncio FA. Grupos de Educação em Saúde: aprendizagem permanente com pessoas soropositivas para o HIV. Trab. educ. saúde (Online). 2011 [acesso em 2016 fev 04]9(1) 25-41. Disponível em: .

Motta MGC, et al. Vivências do adolescente com HIV/AIDS. Reme -Bra-. 2014 [acesso em 2016 mar 03]18(1) 181-187. Disponível em: < http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/917>

Silva SL. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ci. 2014 [acesso em 2016 fev 27]33(2) 143-151. Disponível em: .

Tietzmann DC, et al. Prevalências de adesão à terapia antirretroviral e fatores associados em pacientes adultos de três centros urbanos do Sul do Brasil. Aletheia. 2013 [acesso em 2015 fev 25]41 154-163. Disponível em: .

Silva T, Schenkel EP, Mengues SS. Nível de informação a respeito de medicamentos prescritos a pacientes ambulatoriais de hospital universitário. Cad. Saúde Pública. 2000 [acesso em 2016 fev 27]16(2) 449-455. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2000000200015&script=sci_abstract&tlng=pt >

Ceccato MGB, et al. Compreensão de informações relativas ao tratamento anti-retroviral entre indivíduos infectados pelo HIV. Cad. Saúde Pública. 2004 [acesso em 2016 mar 07]20(5) 1388-1397. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/csp/v20n5/34.pdf >

Castro AP, et al. Perfil socioeconômico e clínico dos pacientes internados com HIV/Aids em Hospital de Salvador. Rev Baiana Enferm. 2013 [acesso em 2016 mar 01];37 (suplemento1): 122-132. Disponível em:< http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2013/v37nSupl_1/a3429.pdf >. Acesso em 01 mar. 2016.

Costa TL, Oliveira DC, Formozo. Qualidade de vida e AIDS sob a ótica de pessoas vivendo com o agravo: contribuição preliminar da abordagem estrutural das representações sociais. Cad. Saúde Pública. 2015 [acesso em 2016 fev 25]31(20) 365-376. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2015000200365>

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/Aids. Boletim epidemiológico. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: < http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2014/56677/boletim_2014_final_pdf_15565.pdf >. [Acesso em 2016 fev 27].

Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST/AIDS e Hepatites Virais. Histórias da luta contra a AIDS. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em:< www.aids.gov.br/sites/default/files/.../fasciculo_01_pdf_28749.pdf> [Acesso em 2016 fev 27].

Silva ACO, et al. Qualidade de vida, características clínicas e adesão ao tratamento de pessoas vivendo com HIV/AIDS. Rev Latino-am Enfermagem – Bra. 2014 [acesso em 2015 fev 25]22(6) 994-1000. Disponível em: < www.scielo.br/pdf/rlae/v22n6/pt_0104-1169-rlae-22-06-00994.pdf>

Irffi G, Soares RB, Souza SA. Fatores Socioeconômicos, Demográficos, Regionais e Comportamentais que Influenciam no Conhecimento sobre HIV/AIDS. EconomiA. 2010 [acesso em 2016 mar 01]11(2) 333–356. Disponível em: < http://www.anpec.org.br/revista/vol11/vol11n2p333_356.pdf >

Santos WJ, et al. Barreiras e aspectos facilitadores da adesão à terapia antirretroviral em Belo Horizonte MG. REBEn. 2011 [acesso em 2016 mar 01]64(6) 1028-1037. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000600007 >

Mercosul. Aids/HIV no Mercosul. CIHIV Mercosul. 2015 [acesso em 2016 fev 25]. Disponível em: .

Gontijo DT, et al. “Deixo ela no canto e vou tocar minha vida”: significados de viver com HIV para homens com adesão irregular à terapia antirretroviral. RBPS. 2013 [acesso em 2016 mar 03]26(4) 480-488. Disponível em:

Castro RFA, Vieira APGF. Influência da informação oral e escrita sobre antirretrovirais no conhecimento de usuários com HIV/AIDS. RBPS. 2010 [acesso em 2016 mar 03]23(3) 251-259. Disponível em: < http://ojs.unifor.br/index.php/RBPS/article/view/2024/2319 >

Okuno MFP, et al. Qualidade de vida, perfil socioeconômico, conhecimento e atitude sobre sexualidade de “pessoas que vivem” com o Vírus da Imunodeficiência Humana. Rev Latino-am Enfermagem - Bra-. 2015 [acesso em 2016 mar 10]23(2) 192-199. Disponível em: < www.scielo.br/pdf/rlae/2015nahead/pt_0104-1169-rlae-3424-2542.pdf>

Koniak-Griffin D, et al. Couple-focused human immunodeficiency virus prevention for young Latino parents: randomized clinical trial of efficacy and sustainability. Arch Pediatr Adolesc Med.2011[acesso em 2016 mar 10]165(4) 306-312. Disponível em:

Almeida EL. Adesão dos Portadores do HIV/AIDS ao tratamento: Fatores Intervenientes. Reme -Bra-. 2011 [acesso em 2016 mar 10]; 15(2):208-216. Disponível em:

Pereira FW, et al. Estratégias para a adesão ao tratamento de gestantes soropositivas ao vírus da imunodeficiência humana. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2015 [acesso em 2016 mar 10]7(3) 2796-2804. Disponível em:

Macêdo SM, et al. Consulta de Enfermagem ao Paciente com HIV: Perspectivas e Desafios Sob a Ótica de Enfermeiros. REBEn. 2013 [acesso em 2016 mar 12] 66(20 196-201. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672013000200007>

Padoin SM, et al. Terapia antirretroviral del AIDS en adultos mayores de 50 años: prevalencia y clasificación de los no adherentes. Enfermería Global. 2013 [acesso em 2016 mar 12]; 12(31):68-85. Disponível em:




DOI: http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.17.1.274001